Favorito a ser batido, duelo de irmãos e grande surpresa: o grupo A da Euro 2016

O principal torneio de seleções do Velho Continente começa nesta sexta-feira, e a Goal Brasil analisa a chave que abre os trabalhos da competição

A espera finalmente está chegando ao fim. Nesta sexta-feira (10), a Euro 2016 terá início com o duelo entre França e Romênia, às 16h (de Brasília), no Stade de France, pelo grupo A da competição. A expectativa é enorme, e a Goal Brasil analisa a primeira chave da competição europeia, que tem muitos fatores interessantes.


GOALLEIA MAIS: GOAL
Balotelli é o novo colunista da Goal e dá palpite sobre a Euro 2016 | Tudo pronto para a Euro | Balotelli quer um azarão campeão da Euro 2016


A favorita

A França é o time a ser batido no mundo atualmente. Apesar do problema envolvendo Benzema e Valbuena, que não foram convocados, os Bleus são favoritos ao título e podem sonhar com o tricampeonato. Campeões em 1984 e 2000, com os esquadrões históricos liderados por Michel Platini e Zinedine Zidane, os franceses têm vários motivos para acreditar na conquista.

A seleção francesa é fortíssima e tem excelentes jogadores, que estão entre os melhores do mundo, em todos os setores. Lloris é um goleiro fantástico. Os zagueiros e laterais podem não ser fantásticos, mas são de bom nível, estão entrosados e compõem um ótimo setor defensivo.

(Foto: Getty Images)

No meio-campo, Kanté viveu temporada fenomenal e foi um dos destaques do extraordinário Leicester campeão da Premier League, além de estar jogando muito bem também pela seleção; Cabaye é um ótimo box-to-box; Matuidi, vital nas últimas temporadas do Paris Saint-Germain e peça fundamental no time que domina a França então, nem se fala; Schneiderlin é ótima opção; Payet fez um excelente 2015/16 pelo West Ham, se consolidando como ótimo armador, que além de visão de jogo, bom passe, ótima técnica e muita habilidade, é mortal nas cobranças de falta; e Pogba é um dos melhores jogadores do mundo e no futuro vai brigar pela Bola de Ouro. Além de destaques em seus clubes, eles também estão boando pela seleção.

​(Foto: Getty Images)

Já no ataque, Gignac manteve a ótima fase dos tempos de Olympique Marseille no Tigres, merece a convocação, é um bom atacante e vem jogando bem nos Bleus; Griezmann, que foi fantástico no Atlético de Madrid e evoluiu ainda mais, é um dos melhores do planeta na posição e é outro que também está jogando muito bem pela França; Martial e Coman são excelentes, possuem muito talento, futuros brilhantes e podem ser fundamentais na conquista; e até mesmo o criticado Giroud tem se saído bem, marcando gols pelos Bleus e se provando no ataque francês. Existia uma enorme dúvida com a ausência de Benzema, atacante mais completo, que proporciona mais opções e variações de jogo, mas o jogador do Arsenal, mesmo sendo muito inferior tecnicamente, se saiu bem, e o time de Deschamps se adaptou ao seu estilo mais finalizador e de jogo aéreo.

(Foto: PROSHOTS)

A França é excelente tanto do ponto de vista individual quanto coletivo. O time é excelente, possui uma defesa coesa, um meio-campo de altíssimo nível e um ataque que tem dado conta do recado. Os setores defensivo e ofensivo são ótimos e se equilibram, a equipe é compacta, gosta de jogar com a bola, mas também sabe ser vertical e usar o jogo aéreo. Os Bleus possuem várias opções e variações de jogo, e quando o coletivo não resolve, a qualidade individual de jogadores como Griezmann e Pogba resolve.

O esquadrão francês é favorito ao título da Euro 2016, e Didier Deschamps, que faz um ótimo trabalho, pode sorrir. Capitão que ergueu a taça como jogador em 2000, o agora treinador pode acabar com o jejum de 16 anos de seu país.

Duelo de irmãos e surpresa

Se a França é favorita ao título, obviamente deve levar o primeiro lugar do grupo A, fazendo com que os outros três times da chave briguem pelo segundo lugar, que dá vaga direta no estágio final do torneio, ou ao menos entre os quatro melhores terceiros colocados, que também passam de fase. Romênia, Albânia e Suíça estão nesta disputa.

(Foto: Getty Images)

Entre os três times, o melhor é o da Suíça. O interessante é que os Rossocrociati também estavam no grupo da França na Copa do Mundo de 2014, quando ambos avançaram às oitavas de final. Os azuis em primeiro e os vermelhos em segundo, deixando Equador e Honduras para trás.

Sem Benaglio, Bürki, Hitz e Sommer disputam a titularidade no gol. Sommer, que brilhou pelo Borussia Mönchengladbach na última temporada, vinha sendo titular, mas no último amistoso, contra a Moldávia, Bürki, que foi muito pelo Borussia Dortmund em 2015/16, começou jogando. O guardião da meta suíça na França ainda é uma incógnita. E por sinal, o amistoso com o arqueiro dos aurinegros como titular foi o único que os Rossocrociati venceram neste ano. Antes, derrotas para Irlanda, Bósnia e Bélgica.

​(Foto: Getty Images)

Nada, porém, que assuste muito. A Suíça é muito superior a Romênia e Albânia. Nas laterais, Lichtsteiner, lateral-direito e capitão, é bom jogador, e Ricardo Rodríguez, lateral-esquerdo, é um dos melhores do mundo na posição, se destacando por ser ótimo defensivamente, excelente no apoio ao ataque, dono de boa técnica, habilidade e letal nas bolas paradas. 

Já no meio-campo, o grande nome é o excelente Granit Xhaka, box-to-box de muita qualidade técnica e no passe, que marca, arma e ataca muito bem, além de finalizar bem de média e longa distância. Vale lembrar que ele é o grande reforço do Arsenal para a próxima temporada até aqui. O habilidoso Xherdan Shaqiri é outro nome para se ficar de olho, apesar de não ter estourado como esperado há dois anos.

(Foto: Getty Images)

O interessante é que teremos um duelo de irmãos no embate entre Suíça e Albânia. Granit Xhaka vai enfrentar seu irmão Taulant, que escolheu defender a Albânia. Ambos, porém, podem jogar juntos no futuro, caso escolham defender o Kosovo, agora reconhecido pela Fifa, que permitiu que jogadores que já defenderam outras seleções defendam o “novo país” – os irmãos Xhaka nasceram na Suíça, mas por serem filhos de um kosovar, podem defender o Kosovo.

A Albânia, por sinal, foi uma das surpresas das Eliminatórias para a Euro 2016, deixando adversários mais fortes como Dinamarca e Sérvia para trás e avançando de forma direta ao torneio continental. A equipe do técnico italiano Gianni De Biasi, porém, não deve avançar à fase final da Euro 2016. Os albaneses têm um time inferior aos suíços e também aos romenos. Acredito que a França avançará em primeiro na chave, a Suíça em segundo, e a Romênia brigará por um lugar entre os quatro melhores terceiros colocados.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook