Últimas

#GoaldeCanela – O mata-mata do Brasil foi diferente

A Seleção Brasileira ficou na fase de grupos, mas quem acabou eliminado mesmo foi Dunga



GOAL Por Livia Muniz 


O mata-mata de Dunga – A eliminação do Brasil na Copa América Centenário já seria uma vergonha por si só. O grupo beirava ao ridículo, com Equador, Peru e Haiti, um dos mais fáceis do torneio. Nem assim conseguiu a classificação para as semifinais. O grupo era tão fácil que nem Equador muito menos o Peru mantiveram-se firme na fase de mata-mata. Sua maior missão foi matar Dunga mesmo.  

O medo está escondido – A energia da Eurocopa é de fato como uma Copa do Mundo sem Brasil e Argentina. Estádios cheios, torcidas invadindo as cidades francesas, fan fests espalhadas pelo velho continente. Mas o comportamento dos ultras preocupa e mostra os enormes furos nos projetos de segurança dos franceses para o torneio. O pior de ver conflitos entre torcedores é não saber até onde a confusão vai deixar de ser futebolística. E só tivemos uma semana de jogo. 

Tá lá mas não tá – O momento vivido pela CBF é tão confuso – e vergonhoso – que todo mundo já sabe que Tite é o novo treinador da Seleção, mas não há anúncio oficial da entidade. Quem deu o furo foi o próprio Corinthians, que além de brecar uma despedida digna para um dos maiores ídolos do clube, deu aquele esculacho na CBF. Realmente, os cartolas brasileiros não merecem Tite, como disse Roberto de Andrade, mas os corintianos merecia dar adeus a Tite na Arena Corithians. A pirraça foi longe demais.  

Os caras do momento? – Eles são astros, ganham milhões no clubes em que jogam e sempre dão o que falar na imprensa esportiva. Mas quando chegam às suas seleções, simplesmente não conseguem se manter como referências. Cristiano Ronaldo e Zlatan Ibrahimovic têm muito em comum, mesmo. Inclusive o fato de serem estrelas solitárias de gerações nacionais em que não podem resolver tudo sozinhos.  

Peixe morre pela boca – Neymar é capitão da Seleção Brasileira. É realmente o melhor jogador da atual geração de brasileiros. Mas tem apenas 24 anos e nem todo a proteção paterna ou o dinheiro ganho – declarado ou não – podem blindar o “craque” de falar merda. Ney conseguiu escapar da responsabilidade de ter participado dos momentos mais vexatórios da Seleção nos últimos anos, mas o cerco em torno dele tá se fechando pela sua própria imaturidade. 


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook