Últimas

Há 20 anos, Palmeiras dos 100 gols levantava taça e fazia história

Lembre como time foi formado, veja números impressionantes, principais goleadas e outras histórias

No dia 10 de junho de 1996, o Palmeiras levantou a taça de campeão paulista. Foi a única conquista daquele time e  pode parecer estranho dizer que ele fez história só com esse título. Mas foi isso que aconteceu: o Palmeiras de 1996 entrou para história pela forma como venceu seus adversários, com um futebol impressionante e mais de 100 gols em 30 jogos. Tanto que, exatos 20 anos depois, esse título ainda é lembrado com carinho por qualquer palmeirense ou admirador do bom futebol.

Como o time foi formado

O Palmeiras vivia a era Parmalat, então já tinha uma base forte, formada em 1995, com Cafu, Amaral, Flávio Conceição, Rivaldo e Müller, por exemplo. Mas o clube tinha dinheiro e ainda contratou mais valores importantes, como Luizão, Djalminha e Júnior. 

Há uma pequena divergência entre os jogadores daquela época sobre a formação da equipe: nem todos tinham noção, no começo do ano, que aquela equipe faria história. Mesmo com os grandes resultados em amistosos de pré-temporada, alguns ainda achavam que podia ser diferente no campeonato. O zagueiro Cléber era um deles: “eu lembro dos treinos e jogos-treinos. A gente goleava e pensava que era porque a equipe era fraca”.

Mas Djalminha e os atletas que já estavam no Palmeiras tinham outra visão. “desde a pré-temporada deu para sentir que era um timaço. E a partir dos jogos viu o melhor time que eu já joguei na vida”, decretou Djalminha.

O que todos jogadores concordam e sempre comentam é que um fator extra-campo fez diferença naquele time: a amizade e o bom convívio entre todos atletas e inclusive com o treinador Vanderlei Luxemburgo. “No nosso grupo não tinha problemas, não tinha time rachado, nada disso. Todo mundo era tranquilo, se dava bem e por isso deu certo”, conta Djalminha.

O que o Palmeiras conquistou

A estatística que mais impressionou foi o número de gols marcados. O apelidado “time dos 100 gols” na verdade fez 102 ao todo. E sofreu apenas 19 em todo campeonato. 

O centésimo gol foi marcado por Luizão, o artilheiro daquela equipe, com 22 gols. Mais uma vez ele abusou do seu oportunismo, pegou um rebote na área e atingiu a marca histórica. A jogada antes tinha sido bonita, com participações de Djalminha, Müller e Rivaldo. 

Principais momentos

Djalminha diz que as goleadas eram um objetivo do time: “a gente tinha que buscar o gol mesmo depois do 1 a 0, contra time pequeno ou grande. O Vanderlei Luxemburgo pedia isso”, lembra.

É claro que deu certo. Quase metade dos jogos, 14, foram vencidos por goleada. Teve um 8 a 0 contra o Botafogo-SP e até um 7 a 1, diante do Novorizontino. E com certeza a vitória mais marcante foi contra o Santos, por 6 a 0. Não só pelo placar elástico logo em um clássico, mas também pela enorme superioridade em campo e pelo jogo bonito.

Aliás, o Palmeiras venceu todos clássicos daquele campeonato. Bateu o Corinthians por 3 a 1 e depois empatou por 2 a 2. Contra o São Paulo, venceu por 2 a 0 e depois por 3 a 2. O Santos foi o mais humilhado. Além do 6 a 0, ainda foi derrotado no jogo que o Palmeiras garantiu o título matematicamente.


Djalminha foi um dos craques do time (Foto: Luiz Esmael)

Pior momento

A única derrota no Campeonato Paulista foi para o Guarani, por 1 a 0. É claro que doeu, mas não atrapalhou a caminhada do time rumo ao título.

O pior momento daquela equipe na verdade aconteceu na Copa do Brasil. Depois de eliminar Sergipe (8 a 0), Atlético-MG (7 a 1 no placar agregado), Paraná (5 a 1 no agregado) e Grêmio (4 a 3 no agregado), o Palmeiras perdeu a final para o Cruzeiro. Empatou o primeiro jogo e depois perdeu por 2 a 1. Era para ser a grande consagração de um time que já estava se desmanchando…

Como acabou

Com o fim do primeiro semestre no Brasil e o começo de mais uma temporada na Europa, foi impossível segurar as saídas de alguns jogadores, como Rivaldo, Müller e Flávio Conceição. Quem não saiu no meio do ano acabou indo embora no final da temporada. 

A história estava feita, mas sobra lamentações. Todos torcedores da época e os jogadores ficaram com a certeza de que aquele time poderia ter ido ainda mais longe. “Não teria como parar a gente no Brasileiro. O time estaria mais entrosado, ia crescer e buscaríamos mais esse título”. Impossível duvidar. Assim como é impossível esquecer a história que aquele time escreveu em tão pouco tempo.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook