Últimas

Leia frases marcantes de Ali; um dos grandes frasistas do esporte

Muhammad Ali não apenas foi um dos maiores astros da história do esporte, mas também um dos mais brilhantes frasistas que o mundo esportivo conheceu. Com sua impressionante agilidade verbal, ele provocava os adversários sem piedade e questionava o “sistema” americano como poucos. A arrogância era uma das marcas registradas de um atleta que dizia ser o Rei do Mundo e jamais se cansava de exaltar a própria beleza, mas nem por isso Ali ganhou a antipatia do público, que perdoava todos os seus exageros graças ao inigualável carisma do grande campeão.

A seguir, uma seleção das melhores frases de Muhammad Ali:

*

“Apenas brinquei com ele”
Após vencer Sonny Liston e tornar-se campeão mundial, ao dirigir-se aos jornalistas que davam Liston como favorito – fev.1964

*

“Agora sou rei”
Após vencer Sonny Liston e tornar-se campeão mundial – fev.1964

*

“Dei uma surra nesse urso horrível, uma surra que ele não se esquecerá”
No vestiário, após vencer Sonny Liston e tornar-se campeão mundial – fev.1964

*

“Sou um sujeito maravilhoso. Sou capaz de vencer o mundo todo”
No vestiário, após vencer Sonny Liston e tornar-se campeão mundial – fev.1964

*

“As únicas coisas que realmente temo são Deus e seus mensageiros”
Antes da revanche contra Sonny Liston, e já convertido ao islamismo – mai.1965

*

“Era duro ter o nome que tinha porque era o nome de um branco que dava seu nome aos escravos. Agora pelo contrário, tenho o nome de Deus. Muhammad Ali, que lindo nome!”
Ao ser perguntado sobre a mudança de nome – set.1966

*

“Eu não os odeio [os adversários] como seres humanos. Odeio-os como indivíduos porque procuram machucar-me, procuram fazer-me beijar a lona, procuram roubar-me o título de campeão do mundo inteiro. Eu sou o campeão do mundo inteiro e não são esses boxeadores que vão tirar o título de campeão de mim, que sempre abri meu caminho com meus punhos.”
Sobre os insultos que dirigia aos seus adversários – set.1966

*

“No ringue existe um árbitro, mas na guerra é preciso matar, matar e matar”
Durante manifestação contra a guerra do Vietnã – mai.1967

*

“Joe Frazier demonstrou esta noite que é um grande, ótimo campeão. Qualquer outro pugilista não teria resistido à avalanche de golpes que lhe acertei durante todo o combate”
Após perder a luta contra Joe Frazier – mar.1971

*

“O treinamento físico ganhou a luta para mim. Alguns de vocês acharam que era um truque publicitário. Talvez vocês preferissem me ver num hotel, em alguma praia, dando autógrafos e comendo refeições pouco adequadas. Mas não fiz isso. Preferi ir para as montanhas da Pensilvânia, onde rachei lenha, corri muito e aprimorei minhas forças”
Em entrevista após vencer a luta contra Joe Frazier – jan.1974

*

“Eu neutralizei Joe com meu maravilhoso jogo de pernas e com meus golpes rápidos. Continuo tão bom como sempre”
Em entrevista após vencer a luta contra Joe Frazier – jan.1974

*

“Vocês duvidam que eu seja o melhor de todo o mundo, de todos os tempos? Eu digo que sou. Eu provei que sou. Nada no mundo conseguirá me tirar esse título até que eu complete 50 anos”
Após vencer George Foreman e reconquistar o cinturão dos pesado – out.1974

*

“Eu avisei que Foreman seria um adversário fácil. De qualquer forma, Alá estava comigo nesse combate”
Após vencer George Foreman e reconquistar o cinturão dos pesados – out.1974

*

“Poderíamos ter morrido. Foi uma luta terrível”
Após a vitória sobre Joe Frazier, em combate realizado nas Filipinas, durante recepção oferecida pelo governo local out.1975

*

“Foi tudo como eu queria que fosse. Mas, sem dúvida, foi o combate mais duro de toda a minha carreira e, talvez, meu último combate”
Após a vitória sobre Joe Frazier, em combate realizado nas Filipinas, durante recepção oferecida pelo governo local – out.1975

*

“É um grande lutador. Eu não teria sido capaz de suportar o castigo que ele recebeu. Frazier podia derrubar qualquer outro, menos eu”
Após a vitória sobre Joe Frazier, em combate realizado nas Filipinas, durante recepção oferecida pelo governo local – out.1975

*

“Jamais alguém me fez lutar dessa maneira. Ele não tem estilo, é lento e luta de maneira estranha, mas é um verdadeiro pugilista. Todos querem me derrotar. Sabem que, se me vencerem, serão os donos do mundo”
Após a vitória sobre Joe Frazier, em combate realizado nas Filipinas, durante recepção oferecida pelo governo local – out.1975

*

“Não estou acabado. Acho que estou bom para mais uma”
Após perder o cinturão na disputa contra Leon Spinks – fev.1978

*

“O título é doce. Por isso quero pensar alguns meses antes de dar a palavra final”
Após reconquistar o título mundial (AMB) ao vencer Leon Spinks, sobre a sua possível aposentadoria set.1978

*

“Em meus dias de moço, não teria qualquer problema nesta luta, mas hoje já não pude fazer o que queria”
Após ser derrotado pelo jamaicano Trevor Berbick – dez.1981

*

“Finalmente, o tempo levou a melhor sobre mim. Não vou lutar nunca mais. Claro que poso mudar de ideia na próxima semana, mas espero que não”
Ao ser cumprimentado por Trevor Berbick, que o venceu por pontos – dez.1981

*

“Daqui a dois anos você me verá pela frente, e não será para me apertar a mão”
Para Floyd Patterson, então campeão mundial, em 1960 – fev.1994

*

“Vou bater novamente em Liston, pois odeio caras com bigode”
Antes da revanche com Sonny Liston, em 1965 – fev.1994

*

“Depois de mim, o boxe será uma coisa feia e velha”
Após vencer Joe Frazier, em 1975 – fev.1994

*

“Dançar como antes seria um feito maior do que a chegada do homem à Lua”
Ao completar 50 anos, em 1992 – fev.1994

*

”Fiquei encostando na pira… O mundo inteiro assistindo… E a maldita coisa não acendia”
Sobre sua participação na abertura dos Jogos Olímpicos de Atlanta – out.1996

*

”O boxe daqui para frente, sem mim, perdeu sua alegria. Tudo será muito triste”
Ao abandonar o boxe, em 1981 – out.1996

*

“Eu me senti velho”
Durante entrevista coletiva no lançamento do filme “Quando Éramos Reis”, documentário que revive a histórica luta entre Ali e George Foreman em 1974, no Zaire, ao ser perguntado sobre como se sentia ao ver a luta 23 anos depois – fev.1997

*

“Nunca vi nenhum vietcongue me desrespeitando. É na América que sou insultado”
Ao se recusar a servir na guerra do Vietnã, em 1967 – set.1997

*

“Comecei a lutar boxe por achar que seria a maneira mais rápida de um negro ser bem sucedido neste país”
Resposta que costumava dar no início da carreira aos jornalistas que perguntavam a ele por que tinha se tornado boxeador
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Serei o maior lutador de todos os tempos”
No verão de 1960, pouco antes da Olimpíada de Roma, em conversa com o jornalista Dick Schaap
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Se Sonny Liston ganhar de mim, vou beijar seus pés no ringue, direi que ele é o maior e pegarei o primeiro jato para fora do país”
Nos dias que antecederam a luta contra Liston, marcada para 25 de fevereiro de 1964
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Nós devíamos fazer uma excursão juntos. Ficaríamos ricos”
Ao receber a visita dos Beatles no ginásio onde treinava, dias antes da luta contra Sonny Liston, marcada para 25 de fevereiro de 1964
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Voe feito uma borboleta! Pique como uma abelha!”
Frase gritada por Ali na apresentação para a pesagem na manhã da luta contra Sonny Liston, em 25 de fevereiro de 1964
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Sou o rei! O rei do mundo! Engulam suas palavras! Engulam suas palavras!”
Após vencer a luta contra Sonny Liston, dirigindo-se aos jornalistas que não acreditavam que ele pudesse vencer
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“(…) Acho que me contento em ser lembrado apenas como um grande campeão do boxe que se tornou pregador e paladino de seu povo. E nem me importaria se as pessoas esquecessem de que eu era tão lindo”
Ao ser perguntado sobre como gostaria de ser lembrado
Do livro “O Rei do Mundo”, de David Remnick, 2000

*

“Pensei que fosse um sonho, um filme. Não pensei que uma coisa dessa pudesse acontecer na vida real”
Muhammad Ali, ex-boxeador americano, sobre os atentados de 11 de setembro – set.2001

*

“Foi o mais próximo que cheguei da morte”
Muhammad Ali, ex-boxeador americano, sobre a terceira luta com o arquirrival Joe Frazier – set.2011

*

“Ele sempre me deixou ser exatamente quem eu quis ser. É por isso que eu o amo”
Muhammad Ali, sobre seu ex-treinador Angelo Dundee – fev.2012

*

“Ele nos ensinou o que é o perdão em larga escala”
Muhammad Ali, ex-boxeador americano, sobre Nelson Mandela – dez.2013


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *