Lil Wayne teria bebido três garrafas de bebida derivada de ópio, diz site

Rapper teria ingerido quantidade grande da droga antes de ter múltiplas convulsões durante um vôo. As informações são do ‘TMZ’.

Lil Wayne no BET Awards em Los Angeles, nos Estados Unidos (Foto: Mario Anzuoni/ Reuters)Lil Wayne (arquivo) (Foto: Mario Anzuoni/ Reuters)

O cantor Lil Wayne ingeriu uma quantidade considerável de um droga conhecida como Purple Drank, espécie de xarope de prometazina e codeína à base de um derivado do ópio, horas antes de sofrer múltiplas convulsões durante um vôo que o levava de Milwaukee (no estado de Wisconsin) para a Califórnia, nos Estados Unidos na tarde de segunda-feira, 13. De acordo com o “TMZ”, Wayne viajou com 16 garrafas de xarope e tomou três delas sozinho. Ele já foi internado várias vezes devido a complicações por causa do excesso de uso de codeína.

Ainda de acordo com o site, um representante de Wayne disse que o rapper está atualmente em condição estável.

Entenda
De acordo com o site TMZ, a aeronave em que o rapper Lil Wayne estava a bordo teve que fazer um pouso de emergência no estado de Nebraska na segunda, 14. Segundo informações da publicação, ele estava desacordado quando a aeronave pousou na cidade de Omaha.

Ainda de acordo com o TMZ, paramédicos correram para a pista de pouso para cuidar do cantor. Já acordado, ele teria se recusado a receber cuidados da equipe e o avião novamente decolou. Porém, o cantor teria sofrido uma nova convulsão e a aeronave novamente pousou para que ele enfim fosse medicado. Momentos depois o cantor foi levado ao hospital.

Mortes nos EUA
De acordo com o G1, nos Estados Unidos, várias pessoas já morreram com suspeita de overdose do xarope. Em 2014, a principal fabricante de xarope de codeína nos Estados Unidos decidiu tirar o produto do mercado. O rapper Lil Wayne foi internado várias vezes com problemas de saúde, complicações do excesso de codeína.

Em entrevistas a TVs norte-americanas, Lil já tinha falado sobre a dificuldade para parar com o vício de codeína. “Todo mundo quer que eu pare, mas não é fácil. É como se você sentisse a morte no seu estômago quando você para de usar. Eu parei de usar não para ser legal, mas porque eu estava doente”.

 


Fonte: Ego.globo.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook