"Novatos" vão bem mas Brasil precisa de alternativas para furar retrancas

Empate contra o Equador deixou passar despercebida a boa atuação de alguns atletas pouco experientes com a camisa da Seleção Brasileira

A Seleção que entrou em campo contra o Equador na estreia da Copa América Centenário teve algumas novidades e estreias. Mas alguns pontos passaram despercebidos após o empate com a equipe equatoriana.

 

Como a atuação de Marquinhos. O zagueiro do PSG entrou de última hora na vaga do experiênte e capitão Miranda e foi muito bem durante toda a partida. 

 


(Foto: Getty Images)

 

Muito lúcido e demonstrando excelente técnica, o jovem zagueiro fez boa dupla com Gil se destacando principalmente nas sobras e na saída de bola. Marquinhos se encaixa perfeitamente no novo estilo em que Dunga deseja implantar na Seleção.

 

Estilo esse que também inclui o goleiro Alisson. Apesar de ter conquistado a titularidade na meta brasileira durante as Eliminatórias é a primeira vez que o camisa 1 disputa uma competição oficial de tiro curto com a Amarelinha.

 

Durante todo o primeiro tempo, Alisson se comportou como um líbero, sem dar chutões saiu sempre com a bola nos pés se posicionando para receber o passe caso necessário.

 


(Foto: Getty Images)

 

No segundo tempo porém, o goleiro brasileiro acabou se descuidando e sofreu o que poderia ter sido o gol da vitória do Equador, caso o bandeirinha não tivesse anulado a jogada. 

 

Fora isso o Equador não ofereceu maiores problemas ao goleiro brasileiro.

 

Quem retornou ao escrete da Canarinho e logo como titular foi Casemiro, o campeão europeu não se intimidou. Por diversas vezes ficou sobrecarregado na marcação e se saiu bem. 

 


(Foto: Getty Images)

 

Apesar de ter levado cartão amarelo cedo conseguiu se controlar. Mas por conta da sobrecarga na defesa, Casemiro não teve oportunidades de avançar e chegar ao setor ofensivo como elemento surpresa.

 

Quem teve mais dificuldades foi o atacante Jonas, o camisa 9 não foi servido e teve que sair da área para buscar a bola e criar oportunidades. Com a defesa bem armada o Brasil encontrou muitas problemas para furar o bloqueio do time equatoriano. 

 


(Foto: Getty Images)

 

Mas principalmente no primeiro tempo, Jonas conseguiu abrir espaços caindo pelos lados do campo e abrindo caminho para Willian e Phillipe Coutinho chegarem em diagonal. Porém não recebeu a bola em condições de finalizar.

 

Gabibol, que entrou em campo no segundo tempo, fez sua estreia em uma competição oficial com a camisa da Seleção Brasileira principal. O jovem atacante encontrou os mesmos problemas que Jonas, sem criatividade o meio-campo brasileiro não conseguiu fazer a bola chegar no jogador. Nem mesmo com as tentativas de bolas levantadas na área.

 


(Foto: Lucas Figueiredo/ MoWa Press)

 

Agora, o Brasil encara o Haiti pela segunda rodada da Copa América Centenário. O que para muitos pode ser um adversário mais fraco e a oportunidade de fazer saldo de gols, a realidade pode ser bem diferente.

 

Já que o time haitiano costuma jogar mais fechado e leva poucos gols. Na estreia da Copa América Centenário, por exemplo, perdeu para o Peru por apenas 1 a 0.

 

Mas depois de passar pela ansiedade e tensão da estreia, a Seleção Brasileira pode e deve apresentar um futebol melhor e mais solto dentro de campo, fato importante para a sequência da competição, do ano brasileiro e para a afirmação dos atletas.

 

O Brasil  está no grup B da Copa América Centenário e volta a campo na próxima quarta-feira (08/06), contra o Haiti, em Orlando, na Flórida.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook