Últimas

Perícia do Senado comprova que não houve crime de responsabilidade, diz Dilma

A presidente da República afastada, Dilma Rousseff, afirmou nesta segunda-feira, que a perícia feita pelo corpo técnico do Senado atesta a inexistência de crime de responsabilidade nos atos que embasam o pedido de impeachment em tramitação no Congresso. “Hoje ficou caracterizado que os motivos pelos quais eles me acusam não caracterizam crime. Nós viemos dizendo isso há muito tempo, mas agora a própria perícia constatou isso”, disse em entrevista concedida à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul.

A perícia realizada pelo corpo técnico do Senado veio a público hoje com a divulgação do laudo do trabalho. O documento responsabiliza a petista pela liberação de créditos suplementares por meio de decreto, sem o aval do Congresso, mas isenta Dilma da atuação nas pedaladas fiscais. Sobre os decretos ela disse que não foi constatada nenhuma participação dolosa de sua parte. “Não há, em nenhum momento, um alerta ou um parecer técnico que diga ‘presidenta, se você assinar este decreto estará comprometendo a meta fiscal’. Por isso fica cada vez mais claro que este processo de impeachment não tem base legal, não tem fundamentação”, afirmou.

Na entrevista, Dilma reafirmou que está trabalhando para reverter o processo de afastamento no plenário do Senado, na votação que deve ocorrer em agosto. “Não só tenho esperança como tenho sistematicamente feito tratativas nesta direção, conversando com senadores e discutindo também com os movimentos sociais”, falou.

A presidente afastada também disse que, caso seja absolvida no processo de impeachment, ela ainda não sabe se chamaria um plebiscito para a convocação imediata de novas eleições presidenciais. “Ainda não há consenso entre as diferentes forças que me apoiam”, disse. Segundo ela, a certeza que se tem no momento é que a volta “plena e irrestrita” de seu mandato é condição essencial para a manutenção do processo democrático. “Caso contrário estaremos sempre na ilegalidade, que é a ruptura democrática sem causa. É como rasgar a Constituição.”

Dilma comentou que não sabe se vai pessoalmente defender seu mandato na Comissão Especial do Impeachment no Senado. Segundo ela, esta questão está sendo avaliada. “Teria oportunidade de falar ao Senado em duas circunstâncias: uma delas é na comissão, mas creio que seria mais solene falar ao plenário, a todos os senadores”, citou.

Ao longo da entrevista, que durou cerca de 40 minutos, a presidente afastada voltou a denunciar “vazamentos seletivos da operação Lava Jato” com o intuito de atingir seu governo. Ela ainda criticou medidas tomadas pelo presidente em exercício, Michel Temer, como a extinção do Ministério da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e o não pagamento do reajuste do Bolsa Família.

Solidez
Sobre a situação econômica, Dilma comentou que a trajetória de desaceleração da inflação e a “robustez econômica” recentemente exaltada pelo Ministério da Fazenda são mérito da gestão do PT. “Se a inflação hoje se projeta para a meta, deve-se ao que nós fizemos”, disse.

Ela citou o fato de o Ministério da Fazenda ter dito, na semana passada, por meio de nota, que o Brasil tem uma situação econômica sólida e segura, com fundamentos robustos, e que, portanto, está preparado para atravessar com segurança períodos de instabilidade externa, referindo-se às possíveis consequências da decisão dos britânicos de deixar a União Europeia. “Quem é que construiu esta robustez? O governo provisório, interino e ilegítimo nos último mês e meio ou nós nos últimos anos? Nós nos últimos anos”, ressaltou a presidente afastada.

Na entrevista, Dilma afirmou também que o Brasil teria saído “mais facilmente” da crise econômica que atravessa se, em 2015, os opositores ao seu governo “não tivessem criado junto uma crise política”. Ela lembrou a atuação do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Ele não só barrava a reforma fiscal como fazia com que tivéssemos obrigações, as chamadas pautas-bomba”, falou. “Criaram empecilhos para uma reforma que, naquele momento, em 2015, teria sido mais suave.”

Sobre o sistema político brasileiro, Dilma opinou que é impossível governar um país com a quantidade de partidos que existe hoje no Brasil – que, segunda ela, leva a uma inevitável fragmentação. “No período FHC, se fazia maioria simples com três partidos. No governo do presidente Lula, eram necessários oito partidos. No meu governo, 14 faziam maioria simples”, falou.

Dilma ainda admitiu que pode ter cometido erros no diálogo com o Congresso. Ela ponderou que fez o possível para tratar com os parlamentares temas de interesse nacional, mas que não se arrepende de ter evitado “certo tipo de conversa” com políticos. “Uma certa conversa que leva a negociações que muitas vezes não são republicanas de fato eu não gosto. Podem me chamar de dura ou do que for. Não faço esse tipo de conversa porque eu acho que não é correto”, destacou.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook