Últimas

Pixar lança plataforma que usa animação para ensinar conteúdos escolares

Os estudantes podem, pela internet, aprender com famosas anima
Os estudantes podem, pela internet, aprender com famosas animaes como Toy Story, Wall-E e Valente. Foto: Pixar/Divulgao

Um projeto da Pixar, empresa de animação digital norte-americana da The Walt Disney Company, disponibilizou aulas online que unem a animação a conteúdos escolares. Os estudantes podem, pela internet, aprender com famosas animações como Toy Story, Wall-E e Valente. Os conteúdos foram desenvolvidos especialmente para estudantes do ensino fundamental e médio.

O conteúdo foi traduzido para o português e é oferecido gratuitamente, com o apoio da Disney e do parceiro local da Khan Academy, a Fundação Lemann. “Como é grande o número de alunos e professores que conhecem e adoram os filmes da Pixar, cremos que terão mais motivos para estudar depois que perceberem a importância da matemática e da ciência no processo”, diz a diretora da Pixar University and Archive, Elyse Klaidman, em entrevista à Agência Brasil. Elyse foi responsável pela criação, o gerenciamento e ensino do currículo de arte da Pixar University e desenvolveu o programa de educação cinematográfica e de curta-metragem live-action da empresa.

O projeto, chamado Pixar in a Box, oferece videoaulas, exercícios interativos e atividades práticas. A intenção é que os alunos descubram como os conceitos acadêmicos que aprenderam na escola permitem que os cineastas da Pixar criem novos mundos, animem personagens únicos e contem histórias por meio da animação. Os estudantes aprendem, por exemplo,  como as médias ponderadas são usadas para criar personagens como o Buzz Lightyear e o Woody, de Toy Story, ou como a análise combinatória é usada para criar multidões, como um aglomerado de robôs em Wall-E. O Pixar in a Box pode ser acessado pela internet.

“Muitas vezes, os professores e os pais têm dificuldade de responder a questionamentos como “eu tenho que aprender isso para quê?” O Pixar in a Box dá uma série de respostas a essa pergunta, mostrando exatamente onde os problemas do cinema e as matérias da escola se relacionam”, explica o cientista sênior e líder do Grupo de Pesquisa da Pixar, Tony DeRose.

“O retorno que recebemos é extremamente positivo. É uma enxurrada constante de histórias que mostram como o Pixar in a Box marcou os alunos. Por exemplo, um professor de matemática contou para a gente que tinha uma aluna que não iria passar em álgebra. Ele recomendou que ela usasse o Pixar in a Box e em pouco tempo a nota dela chegou a B. Outro professor, do quinto ano, contou a história de dois alunos que não iam bem em matemática. Eles começaram a trabalhar com o tópico de animação e acabaram numa reflexão sobre a matemática da curva de Bézier – um assunto que só se vê no ensino médio”, diz o cientista.

O Pixar in a Box pretende também inspirar os estudantes para que eles se tornem animadores no futuro. Quando se considera a carreira em animação, a primeira coisa que as pessoas pensam é em virar animador. No entanto, explica Elyse, a carreira é bem mais ampla do que se imagina: “Ao criarmos o Pixar in a Box, um dos nossos objetivos foi inspirar a próxima geração de cineastas e ajudá-los a enxergar o leque de opções nessa carreira. Fazer animação requer a combinação de habilidades como atuação, belas artes, artes gráficas, engenharia, matemática, ciência, redação, programação, técnicas cinematográficas tradicionais, administração, e muitas outras”.

Desde o seu lançamento em 2015 nos Estados Unidos, o Pixar in a Box contabilizou mais de 7 milhões de minutos de aprendizado no mundo todo. Atualmente, a Khan Academy tem 865 mil alunos ativos/mês e mais de 3,2 milhões de usuários cadastrados em toda a América Latina.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook