Últimas

Promotoria exime Messi de fraude fiscal, mas acusa o pai do jogador

No último dia do julgamento por fraude fiscal contra o craque argentino Lionel Messi, a promotoria reiterou nesta sexta-feira (3) o pedido de absolvição do jogador, ao mesmo tempo que culpou o pai do atleta.

“Lionel Andrés Messi deve ser absolvido”, afirmou a promotoria de Barcelona durante as conclusões do julgamento do craque do Barcelona e de seu pai Jorge Horacio, acusados de fraude de 4,16 milhões de euros (aproximadamente R$ 16,7 milhões) ao fisco espanhol por meio de uma rede de empresas offshore

A Promotoria aceita a versão de Messi, que na quinta-feira (2) declarou ao tribunal que se “[“dedicava a jogar futebol e não tinha ideia de nada”]:http://www1.folha.uol.com.br/esporte/2016/06/1777444-as-vesperas-da-copa-america-messi-presta-depoimento-sobre-fraude-fiscal.shtml.

“Não há nenhuma evidência de que alguém o explicasse algo”, afirmou.

Mas a acusação contra o pai foi mantida, assim como o pedido de um ano e meio de prisão. “Se isto aconteceu foi porque ele, Jorge Messi, aceitou”, afirmou o promotor, que definiu o pai do atleta como “o alter ego de Messi na gestão econômica”.

Messi e seu pai, Jorge Horacio, são acusados de uma evasão de aproximadamente R$ 16,7 milhões entre 2007 e 2009, com a utilização de uma série de empresas no Reino Unido, Suíça, Belize e Uruguai para receber os direitos de imagem, evitando assim o pagamento de impostos.

Durante estes anos, Messi assinou contratos de patrocínio com marcas como Adidas, Konami, Pepsi ou Danone em nome de uma empresa no Uruguai, Jenbril, que pertencia 100% a ele e à qual cedeu a gestão de seus direitos. O jogador afirmou desconhecer tudo isto.

O emaranhado de empresas foi elaborado por um escritório de advocacia de Barcelona que prestava assessoria à família na área fiscal e que mantinha contato apenas com seu pai.

“O senhor Jorge Messi não pode evitar sua responsabilidade culpando os assessores”, disse o promotor.

O julgamento será suspenso para a sentença depois das alegações finais do advogado do Estado, representante da Fazenda espanhola, e da defesa.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *