Seleção minimiza erro de arbitragem e Dani Alves pede mudança de conceito

Daniel Alves estava na derrota de 7 a 1 para Alemanha, na semifinal da Copa-2014, na eliminação da Copa América 2015, nas quartas de final, e agora na perda da vaga na segunda fase da Copa América Centenário, com a derrota para o Peru neste domingo (12), 1 a 0.

Mais um fracasso, segundo o lateral-direito que está a caminho da Juventus, é inadmissível para o futebol brasileiro, que precisa de uma mudança de conceito.

“É preciso ter calma, mas não muita calma. Precisamos parar, pensar, rever. Dar 200%. O Brasil ser eliminado na primeira fase é inadmissível, temos que pensar o que fazer, para melhorar. O torcedor acho que não suporta mais”, disse Daniel Alves.

Ele evitou criticar diretamente a comissão técnica, e acha que a culpa tem que ser dividida pelos problemas. Mas não quis, por exemplo, dar crédito à eliminação pelo gol irregular, com o braço, marcado pelo Peru.

O mesmo fez o zagueiro e capitão Miranda.

“Tivemos contra o Equador um gol anulado a favor que a bola não saiu, agora contra. Faz parte do futebol, uma hora a favor, outra contra. Não temos que culpar o juiz [o uruguaio Andres Cunha]”, disse Miranda.

Em sua entrevista, o técnico Dunga disse que a anulação foi fundamental na eliminação da seleção, que segundo ele esteve bem na partida.

Dunga também falou que é preciso ter continuidade no trabalho, ele assumiu em julho de 2014. Renato Augusto concordou.

“Na Alemanha o técnico ficou dez anos e foi campeão do mundo. Aqui no Brasil o técnico fica quatro, no máximo”, disse. Ele não quis falar se é a favor de uma saída de Dunga.

“Tem que ver com a CBF, não posso falar disso”, disse.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook