Últimas

Sem a opulência da Olimpíada do Rio, Pan de 1963 deixou lembranças em SP

As imagens da festa, dos dolos correndo de l pra c e da torcida vibrando ainda esto na retina de Washington Joseph. Ele no se esquece da emoo de assistir seleo brasileira de basquete campe mundial no ginsio do Ibirapuera.

O garoto de 13 anos no tinha a exata dimenso do que acabara de presenciar. Mas tem certeza de que o que viu e viveu o aproximou ainda mais do esporte.

Ddi, como conhecido, era um dos milhares de torcedores que acompanharam o primeiro grande evento internacional multiesportivo realizado no Brasil.

Os Jogos Pan-Americanos de 1963 no tinham a opulncia da Olimpada que o Rio receber em agosto, mas deixaram uma marca que ultrapassa o esporte. So Paulo ainda guarda lembranas bem vivas daquela competio: o que foi palco dos atletas de elite at hoje atende os moradores.

O Pan foi realizado numa poca em que os eventos esportivos no eram grandiosos. O uso do que a cidade j tinha a oferecer —hoje tido como receita para evitar desperdcio de dinheiro— era a nica sada.

“Eu sabia que era uma competio que reunia muitos pases, mas no tinha a dimenso do peso de uma medalha. Descobri depois”, diz Dodi. A seleo brasileira de basquete foi prata em 63. Perdeu na final para os EUA. Mesmo assim, serviu de inspirao.

“Assistir queles Jogos me fez querer treinar com mais afinco. Foi essencial para que eu me dedicasse mesmo ao basquete. Acabei fazendo parte do time que ganhou o primeiro ouro do Brasil em Pans, em 1971”, completa.

O basquete disputou partidas no ginsio do Ibirapuera, at hoje um dos principais palcos do esporte nacional. a casa do vlei na capital paulista e acaba de receber uma etapa da Copa do Mundo de ginstica artstica, aquecimento para os Jogos do Rio.

A maior parte das atividades do Pan, 60%, aconteceram em espaos pblicos j existentes.

O Pacaembu era o centro nervoso do evento. Alm da cerimnia de abertura e do futebol, abrigou atletismo, boxe, jud, lutas, natao e hipismo. At hoje um reduto de quem quer praticar esportes gratuitamente e oferece aulas de seis modalidades olmpicas.

No beisebol, a vitria dos cubanos sobre os EUA em meio a uma poca turbulenta na poltica internacional na final aconteceu no Bom Retiro. O estdio Mie Nishi o nico campo pblico do Brasil para a prtica do esporte e integra um complexo que oferece at aulas de sum.

Os clubes sociais tambm abriram suas portas para o Pan. Cerca de 30% dos eventos aconteceram em instalaes particulares.

Fernando Telles, 78, salta at hoje na piscina do Pinheiros, que era usada para os treinos em 1963. A competio de saltos ornamentais, da qual participou, aconteceu no Palmeiras. A plataforma continua l mesmo aps a reforma da arena de futebol. A piscina, logo ao lado, foi palco da histrica vitria do polo aqutico do Brasil sobre os EUA, presenciada por crianas dispensadas mais cedo da escola para assistirem ao jogo.

“Isso um uso racional [das instalaes esportivas] de que tanto se fala hoje. O Pan usou o que j estava pronto e construiu poucas coisas que ficaram como legado, como o Crusp. Se fizer as coisas sem planejamento no funciona. Mesmo que se gaste muito, o importante deixar o legado”, diz Telles, membro da equipe mster do Pinheiros.

Os tempos eram outros, sem o glamour que esse tipo de competio carrega atualmente.

Telles treina para o Pan de 1963

Telles, que morava no Rio, viajou para So Paulo de Fusca, dirigido pelo ento presidente da federao de natao, uma cena impensvel hoje.

Alm de no ter deixado nenhum elefante branco, os Jogos de 1963 permitiram a construo de um legado para a cidade.

O projeto de um alojamento e um restaurante para os estudantes da Universidade de So Paulo (USP) estava na gaveta havia anos espera de verba para ser executado. E So Paulo no tinha uma estrutura adequada para receber todos os 1.655 atletas de 22 pases que disputariam o Pan.

“Uniu o til ao agradvel. Com a ajuda do Pan, o dinheiro foi liberado”, lembra Joo Roberto Leme Simes, da Faculdade de Arquitetura e Urbanisno da USP e um dos arquitetos tcnicos da obra.

A construo exigiu velocidade dos trabalhadores. O projeto dos arquitetos Eduardo Kneese de Melo, Joel Ramalho e Sidney de Oliveira, que inclua seis prdios e um restaurante, teve de sair do papel em cinco meses.

“Fizemos em tempo recorde”, diz Simes. Foi usada tecnologia de construo pr-moldada e s as paredes externas eram de estrutura convencional. “Isso ajudou muito a cumprirmos o prazo.” As Foras Armadas se juntaram mo de obra que ergueu as paredes.

Durante a competio, Simes foi encarregado de cuidar da manuteno do complexo.

“Todos pareciam bem satisfeitos, no houve reclamao. O clima na Vila era de festa.

S tive um pouco de trabalho com algumas privadas quebradas pelos atletas”, relembra. “Ficou um grande legado para a cidade.”

O Crusp (Conjunto Residencial da Universidade de So Paulo) hoje tem vagas para 1.565 estudantes de baixa renda. O restaurante que serve a universidade o mesmo que alimentou os atletas no Pan.

“Os norte-americanos comentavam que em So Paulo havia coisas maravilhosas, como aquelas construes na USP, e coisas horrorosas, com favelas e pobreza”, diz Telles.

Para quem assistir Olimpada do Rio, em agosto, o Pan de So Paulo vai parecer coisa de filme antigo. Era um evento simples e modesto. Mas suas arenas, mais de 50 anos depois, continuam a receber o esporte de elite, de base e at a populao que s quer se divertir.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook