Últimas

Sobe para cinco número de moradores de rua mortos pelo frio em SP

Mais um morador de rua morreu possivelmente em razão do frio na capital paulista, informou nesta terça-feira a Arquidiocese de São Paulo. Nailson Paulo da Silva, que aparentava 50 anos, morreu às 14h dessa segunda-feira na rua Amazonas, Bom Retiro, região central. Ele seria a quinta vítima do frio dos últimos dias em São Paulo.

De acordo com frei Agostino, da Comunidade Voz dos Pobres, Nailson já vinha sofrendo os efeitos do frio e de outras patologias. Muito conhecido pela vizinhança, o frei conta que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado assim que o homem começou a passar mal, mas o socorro só chegou às 18h. A assessoria de imprensa da secretaria municipal de Saúde informou que enviará nota comentando o caso.

Outras mortes
Segundo a Arquidiocese, um homem foi achado próximo ao metrô Santana, zona norte, na última quinta-feira. O outro corpo encontrado é de uma mulher, que morreu na sexta-feira, perto do Terminal Rodoviário do Tietê, também na zona norte. Eles ainda não foram identificados, pois, segundo o frei, devem ser de outro estado.

O morador de rua João Carlos Rodrigues, de 55 anos, que estava nas imediações da estação Belém do metrô, foi achado na madrugada de sexta-feira. Adilson Justino, com idade desconhecida,foi encontrado pela Polícia Militar na Avenida Paulista. Após a repercussão na mídia, a família de Adilson foi localizada e deverá providenciar o funeral.

Frio intenso
São Paulo tem batido recordes de baixas temperaturas. Na estação meteorológica da Capela do Socorro, a temperatura nesta madrugada foi de 3 graus, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE).

Ontem, a cidade registrou zero grau às 3h30 na estação meteorológica da Capela do Socorro, zona sul. Foi a temperatura mais baixa em 12 anos, medida pelo CGE.

Versão oficial
A Secretaria Municipal de Saúde informou que apura eventuais falhas no atendimento do Samu ao chamado para socorrer um morador de rua na rua Amazonas, no Bom Retiro, no centro da cidade. Explicou que a diretriz para o Samu, que integra a Operação Baixas Temperaturas, é dar prioridade aos chamados relacionados ao frio.

Em nota enviada à Agência Brasil, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) diz que registrou, desde o dia 16 de maio, mais de 240 mil acolhimentos por meio do programa Operação Baixas Temperaturas. Apenas neste final de semana, quando a temperatura chegou a zero grau na região sul da cidade, a prefeitura acolheu por dia, em média, 11 mil moradores em situação de rua. Durante a estação mais fria do ano, a secretaria intensifica o trabalho na rede de abordagem.

O comunicado informa que, normalmente, a rede de acolhimento da prefeitura possui cerca de 10 mil vagas fixas, mas, com o plano, foi ampliada em cerca de 1.500 vagas emergenciais. Há, ainda, a possibilidade da abertura de alojamentos de emergência caso as 11.300 vagas ofertadas forem insuficientes. Ao serem encaminhadas a um equipamento, as pessoas em situação de rua tem acesso a acolhimento, com camas, cobertores, travesseiros, banho, alimentação e kits de higiene pessoal. Em 2015, foram 145.625 abordagens e mais de um milhão de acolhimentos, diz a nota.

E finaliza: quando os termômetros atingem 13 graus ou menos, caracteriza-se a ocorrência do que se denomina Baixas Temperaturas. A partir disso, os agentes oferecem encaminhamento e acolhimento de pessoas em situação de risco para locais protegidos do frio.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook