Últimas

Vítima de bala perdida no Rio, vira-lata passa por cirurgia e pode perder pata

O cão vira-lata Sheik, atingido por bala perdida na terça-feira,  durante troca de tiros na favela do Jacarezinho, zona norte, foi operado na manhã desta sexta-feira,  e teve um fixador externo colocado na pata esquerda dianteira. “O fixador é uma tentativa para o Sheik não perder a pata. Caso não funcione, aí teremos de amputar. Vamos torcer para que tudo corra bem”, afirmou Izabel Cristina Nascimento, presidente da Sociedade União Internacional Protetora dos Animais (Suipa), onde o animal está sendo tratado.

Sheik foi socorrido por um morador de rua, logo depois do tiroteio, e levado para a sede da Suipa, num dos acessos à favela do Jacarezinho. Ele chegou com fratura exposta no úmero e perdeu muito sangue. O cão passou por cirurgia com anestesia inalatória (mais segura, por ele estar anêmico) e recebeu ainda transfusão de sangue.

Sheik não é o primeiro animal baleado atendido pela Suipa. Em média, a entidade socorre quatro animais feridos por balas perdidas por mês. Mas o atendimento está prejudicado. As duas ambulâncias, doadas por associados, foram roubadas recentemente. A primeira foi levada em 31 de maio, na Penha, zona norte, e recuperada alguns dias depois na Favela da Maré, também na zona norte. O veículo, muito avariado, está desde então passando por reparos em oficina mecânica. 

A segunda foi roubada em 12 de junho, quando socorria cadela atropelada em Colubandê, São Gonçalo, no Grande Rio. Essa não foi recuperada. “Nosso atendimento está muito prejudicado. Por dia, atendíamos pelo menos seis pedidos de socorro. A Suípa vive das doações dos associados, que pagam desde a alimentação dos animais aos salários de 150 funcionários. Não temos como pagar também o transporte. Nesta quarta-feira, para resgatar uma cadela atropelada em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, um associado nos emprestou o carro porque não tínhamos dinheiro para o táxi-dog”, afirmou Izabel.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook