Voto em separado propõe suspensão do mandato de Cunha por três meses

O deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) apresentou, há pouco, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, um voto em separado contrário ao parecer do deputado Marcos Rogério (DEM-RO), que pede a cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ao invés da cassação, Bacelar pediu a suspensão do mandato de Eduardo Cunha por três meses.

Segundo o deputado Chico Alencar (Psol-RJ), a proposta de Bacelar é contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu o mandato de Cunha sem prazo definido.

O pedido de Bacelar gerou uma discussão se ele iria extrapolar o tempo de 10 minutos de fala para ler seu voto. O presidente do colegiado, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), permitiu que fosse feita uma síntese do voto durante o período de fala.

Com mais de três horas de reunião, 20 deputados falaram até agora no Conselho de Ética – 15 a favor e 5 contra o parecer de Marcos Rogério.

Brincadeira
O deputado Sandro Alex (PSD-PR) chamou de brincadeira a ação da defesa em questionar se o truste – administrador dos recursos no exterior atribuídos a Eduardo Cunha – seria ou não uma conta. “Durante todos esses meses, me pareceu uma brincadeira sobre o que seria o truste, que não fosse uma conta, um investimento. O truste seria uma benção. Há documentos, provas documentais, extratos fiscais”, afirmou.

Coragem
Para o deputado Wladimir Costa (SD-PA), Eduardo Cunha está pagando “um preço alto por sua audácia por enfrentar uma articulação criminosa”, ao se referir à gestão do PT no Executivo federal: “O Eduardo Cunha teve a coragem de bancar, de patrocinar a cassação de Dilma Rousseff, o fim de Lula e o encarceramento de muitos ligados a esse partido”.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook