Últimas

Ao treinador da Seleção, não basta trabalhar: tem que aparecer trabalhando

No seu primeiro mês como comandante principal da Seleção Brasileira, Tite vem dando bons exemplos… e já teve até ‘prestação de contas’


GOAL Por Tauan Ambrosio 


Técnico da Seleção Brasileira principal, Tite visitou nesta quarta-feira (20) a Granja Comary. O comandante, que completa exatos 30 dias como treinador do Brasil, chegou na parte da manhã em Teresópolis junto do coordenador Edu Gaspar, falou com os jogadores, com o técnico da Seleção Olímpica, Rogério Micale, e concedeu entrevista coletiva.

Só que antes mesmo de o treinador da Seleção principal entrar em cena, os jornalistas receberam um relatório de observação. Na prática, uma prestação de contas do primeiro mês de trabalho de Tite à frente da equipe da CBF. E, apesar de ainda não ter estreado em campo, fora dele o ex-técnico do Corinthians mostrou que está trabalhando bastante.

Um relato com o número total de todas as partidas que o treinador acompanhou in loco desde que assumiu a Seleção, além de 20 jogos analisados em vídeo. Nestas partidas, várias do Brasil nas mais distintas situações: desde a exibição espetacular sobre a Espanha na final da Copa das Confederações até o vexaminoso 7 a 1 para a Alemanha. Tite também analisou os amistosos pós-Copa de 2014 e as participações nas Copas América de 2015 e 2016.

Tite concedeu entrevista coletiva ao lado de Edu Gaspar (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)

O cronograma também mostrava os treinadores procurados por Tite para uma troca de conversas: Roger Machado (Grêmio), Edgardo Bauza (São Paulo), Muricy Ramalho (ex-Flamengo), Ricardo Gomes (Botafogo), Cuca (Palmeiras), Paulo Bento (Cruzeiro), Dorival Júnior (Santos), Levir Culpi (Fluminense), Argel Fucks (ex-Inter, atual Figueirense), Sérgio Vieira (ex-América Mineiro), Vagner Mancini (Vitória), Renê Simões, Oswaldo de Oliveira (Sport), Zé Ricardo (Flamengo), Falcão (Inter) e Paulo Autuori (Atlético-PR).

Tite ainda confirmou que vai buscar falar com Dunga. E se o clima com torcedores e imprensa é melhor do que acontecia com o seu antecessor, o atual comandante garantiu que não é nada forçado.

“Uma coisa é certa, estou fazendo isso de forma verdadeira, não quero ser simpático com ninguém, quem convive no meu dia sabe que sou assim. Não procuro simular, é difícil estar aqui na Granja, na primeira entrevista, ter naturalidade e raciocínio para desenvolver o que penso, mas eu sou assim. É legal ter o carinho público, e se isso for repassado ao trabalho todo, tomara que sim”, afirmou.

Abraço em Neymar, na chegada à Granja Comary (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)

O treinador da Seleção principal também fez questão de garantir: não vai ficar de ‘supervisor’ de Rogério Micale. Vai respeitar, acompanhar o seu trabalho com atenção e, se necessário, pode ajudar: “Serei parceiro, dentro da necessidade que o Micale entender ser importante”.


GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Tite ‘protege’ Neymar | Olimpíadas: carrascos da Seleção | Do golzinho às nuvens em Teresópolis


Ao final da entrevista, assim como aconteceu com Rogério Micale na terça-feira (20), uma resenha mais próxima com os jornalistas que estão na Granja Comary.

Resenha com a imprensa, após a coletiva (Foto: Tauan Ambrosio/Goal.com)

Tite pode não estar querendo forçar a sua imagem positiva, mas a predisposição para atender a imprensa, falar com o torcedor que está em casa e, principalmente, mostrar que está trabalhando sério é notável. E admirável. Afinal de contas, no principal cargo do futebol nacional o ditado famoso de que “à mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta” pode ser adaptado para “ao treinador da Seleção não basta trabalhar, tem que aparecer trabalhando”.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook