Últimas

Com Cristóvão, Corinthians tem maior média de gols e pior defesa que Tite

Apesar de continuar com um ataque que não empolgue a torcida corintiana, cenário que era idêntico sob o comando do técnico Tite neste Campeonato Brasileiro, o Corinthians de Cristóvão Borges já consegue ser mais goleador do que no período do atual treinador da seleção brasileira.

Após a goleada aplicada sobre o Flamengo neste domingo (3), no Itaquerão, o time alvinegro chegou a marca de nove gols feitos em quatro jogos com o novo comandante, o que representa uma média de 2,25 gols por partida.

O número é superior ao da época de Tite, que comandou a equipe corintiana em sete jogos neste Nacional e balançou a rede adversária por dez vezes, desempenho de apenas 1,42 gol a cada 90 minutos.

O grau de dificuldade dos adversários pode ser uma das razões para o time de Cristóvão Borges ter melhor atuação ofensiva até agora.

Veja vídeo

Com ele, o Corinthians enfrentou dois clubes que ocupam a zona do rebaixamento (América-MG e Santa Cruz ), enquanto que o técnico gaúcho disputou dois clássicos (Palmeiras e Santos ) e estreou diante do Grêmio, atual terceiro colocado da tabela.

Com Cristóvão, os corintianos ainda não passaram nenhuma partida em branco. Já com Tite, foram dois jogos sem marcar (diante do Grêmio e do Palmeiras) na competição nacional deste ano.

Em contrapartida, o Corinthians do técnico antecessor ainda conta com melhores números na defesa. Com Tite, foram somente cinco gols sofridos em sete confrontos, média de 0,71. Até o treinador se desligar do clube para dirigir a seleção brasileira, a equipe paulista não havia sido vazada em quatro partidas.

Com o novo comandante, o time alvinegro sofreu três gols em quatro duelos, média de 0,75. Por enquanto, Cristóvão Borges não viu a sua defesa ser superada apenas nas vitórias sobre o América-MG e Flamengo.

Neste Brasileiro, o Corinthians ainda foi dirigido pelo auxiliar Fábio Carille em duas oportunidades. No período, fez três gols e foi vazado duas vezes.


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook