Custos olímpicos do Brasil estão 51% acima do orçamento, alerta relatório

Os Jogos Olmpicos do Brasil tm custo 51% superior ao planejado, com um estouro esperado de US$ 1,6 bilho no oramento, enquanto o pas afunda em seu segundo ano de recesso, constatou um estudo conduzido pela Universidade de Oxford.

O estudo alerta que, mesmo com esse imenso estouro de gastos, o custo total do evento, estimado em US$ 4,6 bilhes, continua modesto comparado ao desembolso de alguns dos anfitries anteriores, como Londres e Barcelona, o que torna sediar Jogos Olmpicos um dos investimentos de maior risco que uma cidade pode fazer.

“Quando o Rio decidiu se candidatar para sediar uma Olimpada, a economia brasileira estava se saindo bem”, afirma o estudo liderado pelo professor Bent Flyvbjerg, da Escola Sad de Administrao de Empresas, em Oxford. “Agora, quase uma dcada mais tarde, os custos dispararam e o pas vive sua pior crise econmica desde os anos 30, com crescimento negativo e uma falta de fundos para cobrir os custos”.

As concluses do estudo, vigorosamente negadas pelo comit organizador da Rio-2016, surgem em um momento no qual o Brasil enfrenta mltiplas crises.

O Estado do Rio de Janeiro, sede da Olimpada, est enfrentando uma crise financeira que limita sua capacidade de pagar os salrios da polcia e manter os hospitais abertos, enquanto em nvel nacional a presidente Dilma Rousseff, de esquerda, foi suspensa do posto enquanto aguarda o julgamento de um processo de impeachment.

A crise financeira que o governo do Rio de Janeiro est sofrendo to severa que no ms passado as autoridades alertaram sobre uma situao de segurana potencialmente calamitosa durante os Jogos, o que forou o governo federal, que vive situao de caixa semelhante, a contribuir com mais verbas.

O estudo da Universidade de Oxford considerou 15 edies das Olimpadas de vero, desde Roma, em 1960, e 15 Jogos Olmpicos de inverno. A concluso foi a de que sediar o evento era o mais dispendioso, e mais arriscado financeiramente, dos “megaeventos” que uma cidade pode empreender.

A pesquisa encontrou um estouro mdio de custo de 156% em termos reais, o maior em qualquer tipo de megaprojeto no planeta, e nenhuma edio da Olimpada no perodo em estudo conseguiu respeitar seu oramento, com quase metade delas o excedendo em mais de 100%.

A mais cara das Olimpadas de vero foi a de Londres, em 2012, com custo de US$ 15 bilhes, e entre os Jogos de inverno os mais caros foram os de Sochi, em 2014, com custo de US$ 22 bilhes. O custo mdio de uma Olimpada de vero foi de US$ 5,2 bilhes, e o de uma de inverno foi de US$ 3,1 bilhes.

“Os governos dos pases sede e o Comit Olmpico Internacional [COI] no foram transparentes sobre o verdadeiro custo e o estouro dos oramentos dos Jogos”, o estudo afirma. “Por exemplo, o governo britnico afirmou que os Jogos de Londres tiveram custo inferior ao oramento, mas o estouro real de custo foi de 76%, ou US$ 6,5 bilhes”.

No entanto, o governo municipal do prefeito Eduardo Paes informou que o custo da Rio-2016 ser de US$ 4,1 bilhes, ou 35% menos que a projeo original de US$ 6,4 bilhes apresentada quando da candidatura da cidade. Desse montante, pouco mais de metade veio do oramento do comit organizador, bancado integralmente por recursos privados.

A outra metade representa o investimento da cidade em instalaes esportivas, como os estdios e a Vila Olmpica, que tiveram 60% de seu custo coberto pelo setor privado.

O comit organizador dos Jogos do Rio disse ter mantido um “oramento equilibrado”, propondo cortes se houvesse necessidade, e que no antecipava estouros de custo.

“O relatrio serve para apenas um propsito: o de especular quanto a estouros de custos e gerar propaganda negativa”, afirmou o comit.

O relatrio admitiu que a Rio-2016 havia devolvido o custo de uma Olimpada sua mdia histrica, depois dos carssimos eventos de Londres e Sochi.

O custo por atleta projetado para o o evento no Rio de US$ 400 mil, ante uma mdia histrica de US$ 600 mil e um pico de US$ 1,4 milho em Londres. O pior estouro de custos foi o de Montreal, em 1976, estimado em 720%, e o menor o de Pequim, em 2008, estimado em 2% para os Jogos de vero.

“O estouro mdio de custos elevado, para os Jogos, combinado existncia de casos isolados de estouro ainda maior, deveria ser causa de cautela para quem quer que esteja considerando sediar os Jogos”, o relatrio advertia, afirmando que o requerimento de que os governos garantam a cobertura de qualquer excedente de custo era o equivalente a um cheque em branco.

Estouros de custos como esses deixaram Montreal endividada por 30 anos, e no caso dos Jogos de Atenas ajudaram a arremessar a Grcia sua crise financeira e de dvida que j dura quase uma dcada.

Traduo de PAULO MIGLIACCI


Fonte: Folha.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook