Últimas

Editorial: O Brasil em alerta

As longas filas em aeroportos são os primeiros efeitos que os brasileiros estão sentindo com a proximidade dos Jogos Olímpicos do Rio. O maior rigor na segurança cumpre uma determinação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), repassada há semanas. Mas o primeiro dia com o novo protocolo mostrou como o país engatinha em relação a planejamento, organização e execução de mudanças que afetam grande parcela da população. Há uma expectativa de que os problemas se diluam a partir de hoje, quando os passageiros mais precavidos deverão chegar até duas horas antes do embarque.

A nossa inexperiência em lidar com situações de massa impôs a revisão no protocolo de segurança para as Olimpíadas. A medida foi determinada pelo Palácio do Planalto após o atentado de Nice, que matou uma brasileira e pelo menos 83 pessoas na semana passada, em uma ação terrorista com modus operandi diverso do conhecido pelas autoridades francesas. A própria França já debatia, como revelou a imprensa local, rumores de um possível ataque sendo engendrado contra a delegação de atletas que virá competir na Rio 2016. O avanço do terrorismo em território francês levou a Agência Brasileira de Inteligência a estreitar a cooperação com os serviços secretos do governo de François Hollande.

O trabalho de inteligência e prevenção consiste no maior desafio para as autoridades de segurança nos jogos do Rio. As simulações promovidas nos últimos dias auxiliam no momento da tragédia, mas são insuficientes para evitar uma calamidade. O terrorismo do século 21 mantém a estratégia de promover ações chocantes e de caráter simbólico de seus ataques. Mas se difere ao incluir “soft targets”, os chamados alvos fáceis, em sua lista assassina. Essa motivação em praticar a violência de forma aleatória e gratuita explica a tragédia de Nice e o ataque a cafés parisienses nos atentados de 13 de novembro em Paris.

Inserido no contexto internacional e sede de um evento de visibilidade global, o Brasil precisa adotar postura vigilante e preventiva. A possibilidade de um atentado nos Jogos Olímpicos obriga o poder público a analisar fragilidades no controle de fronteiras, na imigração e na conduta de extremistas inclinados a cometer banhos de sangue. Os governos dos EUA e da França estimam que há 500 mil pessoas em todo o mundo com algum tipo de envolvimento com o terrorismo. O caso de Nice sugere um cenário ainda mais complexo, pois até o momento faltam evidências sólidas de que o autor do massacre tivesse algum vínculo com o Estado Islâmico. Em meio a tantas incertezas, o governo aumentou o nível de alerta. Convém aos cidadãos brasileiros, por sua vez, seguirem o trinômio indicado para esse período olímpico: paciência, cautela e vigilância.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook