Malásia tem “centro de purificação” para tentar fazer cristãos negarem a fé


15/07/2016 – 11:00


Locais se assemelham a uma penitenciária




Malásia tem “centro de purificação” para tentar fazer cristãos negarem a fé
Malásia cria “centro de purificação” para tentar fazer cristãos negarem a fé

A reportagem do canal CBN News investigou a denúncia que o governo da Malásia estava internando muçulmanos que se converteram a Jesus. O local, que tem o nome oficial de “Centros de Purificação da Fé” fica no meio de uma floresta e se parece em muito com uma penitenciária.

Quando um ex-muçulmano é denunciado, pode ser forçado a ficar ali por um período indeterminado. Embora oficialmente se divulgue que a internação é voluntária, as denúncias feitas por líderes cristãos é que se trata de uma “pena alternativa” aos que foram condenados por apostasia.

Seguindo a lei da sharia, os juízes muçulmanos podem condenar que abandona o Islã à morte. Desde 2013, Mohd Al Adib Samuri, da Universidade Nacional da Malásia vem divulgando relatos de pessoas que foram presas pela polícia e conduzidas para o centro que é gerido pelo governo. Não há acusação formal nem julgamento.

Um dos ex-detentos, que conseguiu fugir de lá, conta que fugiu para a Índia pois sabia que eles o matariam se voltasse. Seu nome não foi revelado por razões de segurança, mas conta que pediu um advogado, mas as autoridades disseram que ele não precisaria de um, pois o local era como uma escola para “reeducação”. Ele sequer pode avisar sua família sobre o que acontecia.

Segundo relatos divulgados pela emissora, existem pelo menos três desses centros, que funciona em um regime quase militar. Os internos possuem horários rígidos e passam horas ouvindo sobre o Islã e sendo questionados sobre os ensinamentos do profeta Maomé. Muitos são criminosos ou viciados em drogas, mas os cristãos recebem o mesmo tratamento. Para sair, eles precisam dar provas concretas de que seguirão as leis islâmicas.

Os “apóstatas” precisam negar a Cristo. Não se sabe quantos já passaram pelos locais, que são vistos pelos líderes muçulmanos como um benefício para a comunidade. O professor Samuri explica que entre as atividades que todos são obrigados a participar estão: aulas de Alcorão, sessões de reorientação da fé, orações congregacionais, aconselhamento em grupo, serviços comunitários, ginásticas e oficinas como jardinagem e agricultura.

Aqueles cristãos que se recusam a negar sua fé são espancados e ameaçados. Um dos ex-detentos conseguiu sair, mas descobriu que as autoridades haviam confiscado sua casa e seu local de trabalho. Ele conta que precisa continuamente se esconder das autoridades e tem sido ajudado por outros cristãos.

O governo malaio oficialmente nega que exista perseguição religiosa, mas só existe tolerância com pessoas que nascem em famílias tradicionalmente cristãs. Segundo a Missão Portas Abertas a Malásia é dos países que mais persegue os cristãos no mundo. Embora a conversão seja proibida por lei, estima-se que eles já totalizam 10% da população.


Fonte: Gospelprime.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook