Últimas

Moradores de cidade mineira preparam lanche gigante com queijo de 1,9 mil quilos

Quitutes incluem queijo, doce de leite e queimadinha. Foto: Prefeitura de Ipanema/Divulga
Quitutes incluem queijo, doce de leite e queimadinha. Foto: Prefeitura de Ipanema/Divulgao

Moradores da cidade mineira de Ipanema, no Vale do Rio Doce, preparam o que pode ser o maior lanche da tarde do planeta, que será servido no dia 30, durante a sétima edição da Festa do Queijo. A merenda, como muita gente do interior se refere à refeição entre o almoço e o jantar, terá três iguarias servidas em praça pública: um queijo que pesa 1,9 mil quilos, um doce de leite de 600 quilos e uma queimadinha de 1 mil litros.

Todas serão auditadas pela Rank Brasil, empresa paranaense que edita o livro dos recordes brasileiros. O destaque da festa – até pelo nome do evento – é o queijo de minas, que figura nas outras seis edições da obra nacional. O recorde será alcançado novamente em 2016. Os produtores estimam que o queijo de minas deste ano terá pelo menos 90 quilos a mais que o fabricado em 2015 (1.810 quilos). A iguaria já está em processo de maturação numa câmara fria da Cooperativa Agropecuária de Ipanema (Capil), a 260 quilômetros de Belo Horizonte. O queijo de minas gigante leva 18 mil litros de leite, além de grande quantidade de cloreto de cálcio, coalho, fermento lácteo e sal. Ricardo Paes, tecnólogo em laticínios da cooperativa, garantiu que a fabricação atende a  todos os procedimentos tecnológicos e de higiene adequados.

“A produção será em uma queijomate automatizada, de onde seguirá para o processo de enformagem, que, devido ao tamanho e dificuldade de movimentação do alimento, ocorre na câmara fria, com temperatura de 5 a 10 graus centígrados até o dia da festa”, disse ele. Já o doce de leite deverá pesar entre 550 e 600 quilos – o servido no ano passado foi aferido pela Rank Brasil em 517 quilos. A iguaria, em preparação numa fábrica da cidade, leva 1,3 mil quilos de leite e 400 quilos de açúcar. O doce passará por um redutor de acidez e terá cozimento a vapor. Deverá ficar pronto na próxima terça-feira.

A novidade desta edição será a tradicional mistura de açúcar caramelizado com leite. A queimadinha será servida num bule de inox com 1,8 metro de altura e dois metros de diâmetro. O objeto gigante, fabricado no Espírito Santo, terá capacidade para 1 mil litros. Os três alimentos serão servidos na tarde do último sábado de julho. A queimadinha começará a ser preparada às 11h, na Praça Coronel Calhau, cartão-postal de Ipanema e que homenageia a memória de um dos fundadores do município, que é uma importante bacia leiteira do Vale do Rio Doce. A Capil recebe cerca de 110 mil litros por dia.

Pouco tempo depois de a queimadinha ficar pronta, por volta das 14h, o queijo e o doce de leite serão auditados pela Rank Brasil. A empresa vai aferir pesos e medidas. Também conferirá se os produtos estão liberados para consumo humano. Já às 16h, os três alimentos serão a atração de um desfile em carros abertos pelas ruas principais. Após o evento, as iguarias serão distribuídas a moradores e visitantes.

Omelete

Para reforçar aquele que deve ser o maior lanche do planeta, uma equipe do Senac vai preparar um omelete gigante. O peso e a medida não foram divulgados. A cozinha móvel da entidade será montada na Praça da Matriz, em homenagem a Santo Antônio, entre hoje e 29 de julho (um dia antes de as três iguarias serem distribuídas). Quem comparecer ao local poderá fazer cursos de culinária. A prefeitura disponibilizá um especialista em economia doméstica para ministrar um curso de capacitação em pratos doces e salgados. Todos, claro, levam queijo na receita.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook