Últimas

Muçulmanos destroem igreja por cultuar “no dia errado”


19/07/2016 – 17:00


Templo católico realizava missa na sexta-feira




Muçulmanos destroem igreja por cultuar “no dia errado”
Muçulmanos destroem igreja por cultuar “no dia errado”

Poucos dias depois de uma diaconisa de uma igreja evangélica brutalmente assassinada por ordem de um imã por estar pregando o evangelho, muçulmanos atacaram a Igreja Católica St. Philip, destruindo quase totalmente a propriedade.

O vigário-geral, padre Gobep Luka Sylvester, relatou aos Thisday que cerca de 200 jovens invadiram o templo na última sexta-feira, atacando os fiéis que estavam no local para a missa. A justificativa para essa demonstração de intolerância foi que aquele era o “dia errado” e que eles só poderiam cultuar aos domingos.

Sylvester reclama que vários católicos ficaram gravemente feridos. Além disso, as janelas, o altar, os instrumentos musicais e parte do local onde ficam as imagens foram seriamente danificados. Os vândalos acabavam de sair de uma mesquita, após as orações jumat, da sexta-feira, dia sagrado para o Islã.

“Os homens que fazem nossa segurança foram espancados e as mulheres que estavam rezando, expulsas. O seminarista que mora nos fundos do templo também apanhou muito”, narra o padre.

Mesmo após o caso ser denunciado à polícia, nenhuma prisão foi feita. Para o líder católico, a situação é gravíssima: “Na semana passada, a senhora Eunice Olawale, da Igreja Cristã do Redentor foi morta por alguns muçulmanos fanáticos. Até quando vamos continuar assim?”

A alguns anos, Alhaji Kabiru Sokoto, que afirmava ter ligações com o grupo terrorista Boko Haram, detonou uma bomba que matou vários católicos que estavam na Igreja Católica Santa Teresa, que fica bem próxima à St. Philips, que foi destruída agora.

Na semana passada, a Associação Cristã da Nigéria condenou o presidente Muhammadu Buhari, denunciando o aumento da violência contra não-muçulmanos e alertou para os crimes não investigados contra cristãos em todo o país.


Fonte: Gospelprime.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook