Mulher é agredida com dois socos por simpatizante de Bolsonaro

Na madrugada da última terça-feira (28/6), a estudante e ativista Mayra de Souza, 27 anos, militante do movimento social Levante Popular da Juventude, foi xingada e agredida com dois socos no rosto por um simpatizante do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC/RJ) identificado pelo movimento LGBT como Diego Oliveira da Rocha. O caso aconteceu em Samambaia, no Distrito Federal. A jovem estava em um bar com quatro amigas, quando foi abordada pelo agressor.

Após repetidos pedidos para que ele se afastasse da mesa, o homem começou a gritar “Bolsonaro 2018” e, no momento em que Mayra foi fumar um cigarro, ele deu o primeiro soco, no olho esquerdo. A mulher caiu no chão e recebeu outro golpe, desta vez no queixo. Diego fugiu do local. Mayra registrou o caso na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) e as sequelas físicas ainda estão sendo analisadas.

Mayra contou que no próximo dia 6/7 fará uma consulta oftalmológica para avaliar os danos no seu olho. “Não estou enxergando direito e nem consigo abrí-lo.” A jovem disse que jamais imaginou que a selvageria dos discursos das redes sociais pudesse se tornar real. “Essa violência foi misógina, homofóbica e política. São esses ícones de ódio, como Bolsonaro, que incitam esses atos. Mas não vou me esconder.”

Movimentos LGBT e feministas divulgaram uma nota de repúdio. O texto, assinado por 27 coletivos, afirma que a violência sofrida por Mayra é símbolo “desse avanço conservador, acompanhado da: sub-representação de mulheres, negros, jovens, LGBTs, trabalhadores e camponeses no Congresso Nacional; da invisibilização, ridicularização e criminalização crescente dos movimentos sociais e da luta política; do aumento da violência, das ameaças e da cultura do medo.”

 


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook