Últimas

No Brasil, 44,3% dos domicílios possuem pelo menos um cachorro e 17,7%, um gato

Uma pesquisa feita pela Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo (USP) e encomendada pela fabricante de alimentos para animais Mars Brasil traçou o perfil de comportamento dos donos de pets e apontou as principais diferenças entre proprietários de cães e gatos.

No Brasil, 44,3% dos 65 milhões de domicílios possuem pelo menos um cachorro e 17,7% ao menos um gato, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Atualmente, há no total 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos no País. Confira a seguir as principais características dos donos de pets.

Cães

– Proprietários de cães são, em sua maioria (51%), casados.

– Donos de cães têm, em média, 41 anos, e 93% moram com mais de uma pessoa.

– 82% dos proprietários de cachorros são de classe AB (na classe A, são 24%); 59% moram em casas.

– 24% adotaram seus cães, sendo 59% deles sem raça definida

– 44% veem seus cachorros como filhos – a maioria dos que têm essa opinião é mulher solteira de até 40 anos.

– 64% dos entrevistados deixam os cães dormirem dentro de casa.

Gatos

– 61% dos donos de gatos são mulheres.

– 48% acreditam que os felinos entendam o humor dos donos.

– 45% veem seus gatos como filhos – a maioria dos que têm essa opinião é mulher solteira de até 40 anos.

– Proprietários de gatos levam menos os pets ao médico veterinário – média de 2,3 vezes por ano, contra 2,8 no caso dos donos de cachorros .

– Os donos de gatos têm em média 40 anos, e 62% moram em casas.

Sem pets

– Já entre os entrevistados que não possuem pets, a pesquisa mostra que 100% têm vontade de comprar ou adotar um animal de estimação – 90% pretendem adquirir um cão; 20%, um gato.

– 47% dos que não têm pets apresentam, em média, 37 anos, 25% moram com filhos de até 9 anos, 57% moram em apartamento e 94% já tiveram um animal de estimação antes.

– Entre os motivos apontados para não ter um bicho de estimação estão não ter alguém em casa para tomar conta do animal enquanto estão no trabalho, compromisso por muitos anos e os custos altos dos cuidado.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook