Últimas

O capitão sem braçadeira – porque o Barça não deixou Mascherano seguir Daniel Alves na Juventus


Argentino assinou um novo contrato para permanecer no Camp Nou por mais três anos



COMENTÁRIO


Barcelona perdeu um jogador para a Juventus nesta janela de transferências. Daniel Alves partiu para Turim, depois de oito anos no Camp Nou e em um ponto, parecia que Javier Mascherano poderia seguí-lo. No entanto, o clube catalão travou a mudança e fez uma proposta para o argentino permanecer. Uma grande notícia para Luis Enrique.

O técnico do Barcelona admitiu na última semana que ele havia sido surpreendido pela partida do lateral brasileiro.

“Eu só posso elogiá-lo. Desejo o melhor, ele é um dos melhores profissionais com quem convivi na minha carreira. A Juventus reforçou a sua equipe muito bem”, disse.

Os campeões italianos também queriam assinar Mascherano e o brasileiro admitiu o interesse.

“Seria uma honra partilhar esta aventura com Mascherano”, disse Daniel Alves na época de sua assinatura.

Mas se perder um dos seus membros da equipe titular para a Juve já era ruim o suficiente, o Barça teve a certeza que não perderia dois de seus atletas para uma equipe que vai ser um dos seus principais rivais na Europa na próxima temporada.

“O clube me disse que não tem nenhuma intenção de me deixar sair, que está muito feliz comigo”, Mascherano no último mês.

E dias antes, o diretor esportivo do Barça, Robert Fernandez, havia prometido: “Mascherano vai ficar, tenho certeza sobre isso e vamos procurar uma solução positiva para todos”.

Essa solução positiva chegou na quarta-feira (27), quando o Barça anunciou a renovação do contrato de Mascherano por mais três anos. Trazido por Pep Guardiola em julho de 2010, mediante recomendação de Lionel Messi, Mascherano fez sua estréia em uma derrota por 2 a 0, em casa para o Hercules.

Isso provocou críticas imediatas e o argentino precisou lutar para se adaptar ao estilo de jogo do Barcelona. No entanto, não seria como um meio-campista que ele faria o seu nome no clube, mas como um defensor central.

Guardiola viu que o jogador poderia se adaptar a essa posição, e ao longo dos anos ele tem se mostrado não só um excelente defesa-central, mas um líder. Antes ao lado de Carles Puyol, e ultimamente em uma parceria impressionante com Gerard Pique, Mascherano se tornou um dos melhores do mundo em sua nova posição, e ele dá o exemplo para outras pessoas. Ele é um capitão sem braçadeira.

“O clube contratou um jogador que eu, como treinador, não madaria para qualquer outro clube. Eu não iria nunca vendê-lo. Ele é um assinatura única e estamos muito felizes de tê-lo.”, disse Guardiola em 2012.

E Luis Enrique disse algo semelhante quando ele foi apresentado em 2014. Questionado sobre o argentino, ele disse à imprensa: “Mascherano é como Xavi. Ele é muito importante também por causa de sua personalidade dentro e fora do campo. Ele é exemplo do que um capitão pode ser “.

Mascherano, é claro, não é o capitão. Nem para a Argentina, nem para o Barcelona. Mas isso não importa nem um pouco, porque ele é o jogador que levanta todos os outros, ele é a extensão do treinador em campo, o homem a quem os outros olham em tempos de crise. E ele não precisa de uma braçadeira para ser um líder.

Muitos jogadores vieram e foram em seu tempo no Camp Nou, mas Mascherano está quase sempre na equipe. Agora ele está confirmado por mais três anos e pode ser a melhor notícia do Barça nesta janela.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook