Últimas

Polícia Federal confirma buscas por terrorista sírio no Brasil

Jihad Ahmed na Pra
Jihad Ahmed na Praa da Independncia, em Montevidu, onde estava como refugiado desde dezembro de 2014. Foto: Miguel Rojo/AFP Photo

A Polícia Federal (PF) faz buscas pelo terrorista sírio Jihad Ahmad Diyab, ex-presidiário de Guantánamo, em Cuba, que teria saído do Uruguai, (onde foi acolhido como refugiado em 2014), para o Brasil. As investigações começaram depois de um alerta da polícia uruguaia de que o terrorista teria entrado no Brasil há três semanas. A preocupação das autoridades com a segurança é ainda maior a um mês da Olimpíada no Rio de Janeiro. 

Deyab estava como refugiado em Montevidéu desde dezembro de 2014. Ele foi detidos por forças norte-americanas em 2002, por suposta ligação com a Al-Qaeda. Jihad ficou preso em Guantánamo, em Cuba, onde foi um dos prisioneiros a persistir por mais tempo a uma greve de fome durante o período de custódia. Ele fazia parte do primeiro grupo de detidos que entraram em Guantánamo em 2002, quando os Estados Unidos abriram a prisão em sua base militar na ilha de Cuba, no início de sua guerra contra o terror após os atentados de 11 de setembro. 

Procurada pela reportagem, a PF  enviou nota informando que realizou diversas ações, “e até o momento não há confirmação da entrada ou presença do estrangeiro em solo nacional. Por questões estratégicas e de inteligência, a Polícia Federal se limitará a prestar as informações da presente nota”.

No dia 1º deste mês, a companhia aérea Avianca disparou boletim interno alertando que o terrorista sírio poderia ter fugido para o Brasil. Jihad Ahmad Diyab está foragido há cerca de três semanas. O boletim, enviado por meio da Secretaria de Segurança da Avianca, solicita que, caso seja detectada a presença do sírio em território brasileiro, a Polícia Federal seja imediatamente comunicada. O alerta foi transmitido com base em informações recebidas pela companhia pela divisão de antiterrorismo da PF.

Jihad estaria usando um passaporte falso de origem marroquina, jordaniana ou síria. Sua identidade e passaporte originais, no entanto, são expedidos pelo Uruguai. Ele tem dificuldade de locomoção, usa muletas e não fala português. Todas as companhias aéreas que operam no Brasil receberam a ordem de divulgar o comunicado para ajudar nas buscas pelo homem.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook