Últimas

Sindilojas Penedo reúne empresários e apresenta números do município

O evento foi comemorativo ao Dia do Comerciante e mostrou a contribuição do setor para o PIB de Penedo

 

Os números da economia penendense foram apresentados aos empresários do município, durante um café da manhã oferecido pelo Sindilojas Penedo, com o apoio da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL) hoje (15), no Hotel São Francisco, em Penedo. O evento marcou a comemoração pelo Dia do Comerciante. O setor representado pelo Sindilojas Penedo é responsável por 70% do Produto Interno Bruto (PIB) de Penedo.

O presidente da Fecomércio, Wilton Malta, abriu o evento e destacou a importância da atividade não apenas para a economia de Penedo, mas do Estado e no País. Malta ressaltou que o cenário ainda é difícil para o setor terciário, mas que o momento é de reagir. “Sabemos que a crise existe, que a taxa de desemprego está elevada, empresas estão fechando e o consumo está em baixa. No entanto, é mais uma crise que vivenciamos e iremos superar. Por isso, temos sim o que comemorar porque estamos sobrevivendo a mais uma crise”, afirmou. 

Segundo a presidente do Sindilojas Penedo, Ana Luiza Soares, o comércio de Penedo faz seu dever de casa. Por isso, tem o que comemorar. “Geramos empregos, o comércio é forte e guerreiro. Não tenho dúvida de que nesse momento de desafio vamos sair mais fortes e unidos”, declarou Ana Luiza. Ela ressaltou ainda que o comércio de Penedo contribui e muito para a sociedade local, pois qualifica os profissionais, por meio do Senac, e outras ações por meio do Sistema Fecomércio, Sesc, Senac, IFEPD.

Em sua apresentação, o assessor econômico da Fecomércio, Felippe Rocha, fez uma relação sobre a conjuntura econômica – Brasil, Alagoas e Penedo. A taxa de crescimento média do Brasil entre 2002 a 2014 correspondeu a 2,5%.

Segundo Felippe, o Nordeste cresceu acima da média do país. E Alagoas acompanhou essa tendência e cresceu acima da média do Brasil com 4,4%. Nos últimos anos, esse crescimento chegou a uma taxa de 13%. “Essa crise deve-se a saturação do modelo de consumo. O governo saturou a economia brasileira com crédito fácil. Chega um momento em que os salários não aumentam tanto assim. De 2010 a 2014, o PIB do comércio só cresceu, mas de forma mais tímida”, ressaltou.

O número de inadimplentes no País equivale a 59 milhões de pessoas. Desse total, 1,1 milhão de pessoas conseguiram sair da inadimplência e isso é um sinal positivo porque as pessoas voltam a ter poder de consumo.

Se comparar o crescimento real da economia brasileira, percebe-se que Alagoas cresceu 4%, em 2011, e em 2013, 8,7%. A economia nacional decresceu 3,8% e a alagoana recuou 2,9%.

Em relação aos aspectos gerais da economia de Penedo, o assessor econômico da Fecomércio afirmou que R$ 262 milhões, ou seja, 70,5% do PIB é do setor de comércio, serviços e turismo. “É o setor que mais arrecada ICMS. Em seguida, a indústria com 16,3%”, observou.

A mortalidade de empresas do setor produtivo em Penedo nos últimos anos correspondeu a 158 empresas. De janeiro a julho deste ano, 36 empresas faliram em Penedo. De janeiro a maio, houve mais desligamento do que demissões, em Penedo, e o setor que mais demitiu foi o canavieiro.

Em Penedo, são 6.045 trabalhadores formais, sendo o fator gerador o comércio de bens, serviços e turismo. No último dia 13 de julho, o presidente Michel Temer (PMDB) completou 60 dias à frente do governo. “Houve uma leve melhora o que demonstra que no futuro poderemos começar a observar uma mudança na taxa de juros, que impede que as pessoas consumam. O modelo de governo adotado por Temer é a Parceria Público Privada (PPP) para investimentos em ferrovias, rodovias e outros que deve contribuir para o desentrave da economia”, comentou.  

 

Assessoria

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook