Vitória fora de casa cria dilema: Palmeiras deve jogar ou não com volante?

Time conseguiu bater o Sport com Thiago Santos no lugar de Cleiton Xavier, mas essa fórmula não deve ser usada em todos jogos


GOAL Por Allan Brito 


A ousadia do meio-campo do Palmeiras tem impressionado no Campeonato Brasileiro: o técnico Cuca estabeleceu Moisés, Tchê Tchê e Cleiton Xavier como titulares, mesmo que nenhum deles seja um legítimo volante. Porém, uma vitória criou um dilema no clube, pois Cuca resolveu escalar Thiago Santos para fechar melhor a defesa e deu certo na vitória contra o Sport.


GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Palmeiras supera trauma | Repercussão da vitória | Veja página do Palmeiras


Em um futebol moderno, é um erro se apegar a posições. Jogadores versáteis podem fazer diferentes funções em um time bem montado. Foi isso que Cuca conseguiu estabelecer no Palmeiras: Moisés e Tchê Tchê souberam defender como volantes, avançados e fazendo pressão na frente, mas também atacaram e armaram jogadas. Cleiton Xavier não participou tanto da marcação, mas foi fundamental para cadenciar o jogo e aumentar a posse de bola, o que também é uma forma de evitar o ataque adversário afinal.

Foi dessa forma que o Palmeiras conseguiu criar um padrão de jogo que fez sucesso principalmente no Allianz Parque, onde o time conseguiu grandes vitórias contra América-MG e Santa Cruz. Porém, ainda existia um problema: o baixo aproveitamento fora de casa.

Cuca entendeu que o problema era a falta de pegada e intensidade no meio-campo. Sem essa agressividade, a defesa ficava muito exposta. Então o técnico resolveu escalar Thiago Santos no lugar de Cleiton Xavier e deu certo, com a vitória por 3 a 1. Mesmo que Thiago nem tenha feito um grande jogo, é inegável que a equipe mostrou mais solidez defensiva.

Números de Thiago Santos no jogo Sport x Palmeiras:

Cuca explicou que, com a mudança, abriu mão de ter a posse de bola no jogo: “o Palmeiras não teve a maior posse de bola, porque não era o que a gente queria. Não queríamos a bola, queríamos a velocidade, e ela encaixou”. Ou seja, na prática é uma mudança simplista: com Thiago Santos, o time passa a ser mais marcador e voltado ao contra-ataque. Uma tática comum para qualquer time fora de casa. Talvez a solução seja essa, mas ainda não está claro. 

O próximo jogo, contra o Santos, no Allianz Parque, não poderá ser parâmetro para saber como Cuca resolverá esse dilema: Thiago Santos está suspenso por receber três cartões amarelos e ainda há dúvidas sobre possíveis lesões de Moisés e Tchê Tchê. Ou seja, provavelmente o time não jogará com o meio-campo ideal. A grande pergunta, que ficará para ser respondida completamente em outras rodadas, é: qual é o meio-campo ideal do Palmeiras? Ao que tudo indica, isso dependerá das circunstâncias de cada partida.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook