Últimas

Wilson Barretto: Como preparar-se para as profissões do futuro?

Por Wilson Barretto
Diretor da Faculdade Esuda

A cada dia, o avanço tecnológico se faz presente ensejando o surgimento de novas profissões que, certamente, vêm graças à substituição da mão de obra leiga por máquinas que fazem o mesmo papel. Essas novas profissões chegam por dois motivos: primeiro, pelo uso de novas tecnologias que necessitam de intervenção humana para seu desenvolvimento e aplicação; segundo, pelo aparecimento de uma nova prestação de serviços pouco ou nunca acontecida e agora ativada ou criada.

Como exemplo do primeiro motivo, temos as máquinas que automatizam um serviço manual e que agora necessitam de mão de obra mais especializada para controlá-las e/ou operá-las. Um cortador de grama elétrico ou o GPS ensejaram novas profissões para uso e implantação das novidades. O segundo motivo aparece, por exemplo, na culinária, com novos restaurantes especialistas em pratos especiais, como aconteceu com as pizzarias, com as casas de comidas chinesas, com as creperias, etc. Tal qual ocorre na atividade de gourmet, outros segmentos também podem desenvolver um novo projeto que venha a calhar com a necessidade das comunidades.

A preparação para as profissões do futuro está em observar as tendências de crescimento do mercado de trabalho interno nas diversas atividades humanas e preparar-se para essa demanda. As tecnologias sempre estarão em alta e é preciso avaliar as contrações do mercado e investir exatamente nos saberes que estão em baixa, pois, logo logo, a falta desses especialistas será sentida pela própria evasão desses conhecedores que não querem mais investir devido ao fato de o seguimento estar em baixa. Isso aconteceu, por exemplo, na área médica, quando foram proibidas as aberturas de novos cursos médicos por anos a fio. Resultado: hoje se importam médicos para suprir as necessidades na área da saúde.

Outra forma de preparar-se para as novas profissões é, inicialmente, apurar o olhar para as diversas atividades existentes em países mais desenvolvidos e avaliar se “essas novidades” terão “clima” para serem importadas para o nosso país. Após essas observações e pesquisas, devemos avaliar em qual das diversas atividades, possíveis de serem implantadas aqui, teremos oportunidade de emprego, levando em conta as nossas aptidões inatas e adquiridas no decurso dos anos vividos. Isso posto, devemos aperfeiçoar a nossa capacidade para ingressar nessas novas profissões. Na verdade, qualquer que seja a sua formação, sempre existirão oportunidades no mercado, desde que você seja o melhor no seu ramo. Cursos de atualização, para adquirir novos conhecimentos acessórios e atuais, serão um bom começo para o seu sucesso.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook