Últimas

Atos em memória de Arraes e Eduardo

Uma missa na Igreja de Casa Forte será celebrada hoje, às 19h30, para marcar a passagem de dois anos do falecimento do ex-governador Eduardo Campos e 11 anos do ex-governador Miguel Arraes. O ato religioso, que irá reunir familiares, amigos e correligionários, também faz parte dos eventos comemorativos do centenário de Arraes. Eduardo morreu em um acidente aéreo na cidade de Santos, em São Paulo, no dia 13 de agosto de 2014. A mesma data em que nove anos antes morria no Recife o seu avô Miguel Arraes.

Quando faleceu, Eduardo estava em plena campanha para Presidência da República. Na manhã do acidente, o então candidato do PSB partiu do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao Guarajá. Ele participaria de eventos de campanha em Santos. A aeronave, um cessna 560 XL, caiu em um bairro residencial (Boqueirão), em Santos. Também morreram o jornalista Carlos Percol, o fotógrafo Alexandre Severo, o cinegrafista Marcelo Lyra, o assessor e ex-deputado federal Pedro Valadares e os pilotos Geraldo Barbosa e Marcos Martins.

Dois anos depois da morte, aliados falam da ausência de Eduardo e da falta dele no momento vivido pelo Brasil. “Por tudo que o nosso país enfrentou nesses dois anos, Eduardo fez e faz muita falta. Não apenas a Pernambuco, mas também ao país. Tenho a convicção de que Eduardo teria chegado à Presidência da República e construído um novo rumo, com diálogo, restabelecendo a confiança no futuro”, destacou o governador Paulo Câmara (PSB).

“Mas ainda temos o seu legado para levar adiante, os seus compromissos permanentes com os que mais precisam, com uma educação pública de qualidade e uma gestão eficiente. São essas bandeiras de Eduardo que continuamos defendendo”, garantiu o socialista. O presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, ressaltou a importância de Eduardo Campos para a política brasileira. “Na verdade, a falta dele não é sentida somente pelos pernambucanos, mas por todo o país. Entre nós, ele estaria desempenhando um papel fundamental. Então, a perda é muito grande”, disse.

Antes da missa, o Instituto Miguel Arraes (IMA) promove atividades na sede da entidade em homenagem ao político que, em 15 de dezembro de 2016, completaria 100 anos. Da programação, a partir das 10h, consta assinatura de um convênio com a Fundação João Mangabeira, lançamento do blog Arraes, entrega de um estudo realizado pela igreja dos Mórmons sobre a árvore genealógica do ex-governador e lançamento do livro Porto do Renascimento – a última campanha de Arraes, do jornalista Marcos Cirano.

 

Programas como legado 

 

Algumas das principais ações desenvolvidas por Eduardo Campos à frente do governo do estado marcaram sua gestão. Os programas Mãe Coruja, Ganhe o Mundo, Pacto pela Vida e as ações de desenvolvimento econômico ganham destaque no legado deixado pelo socialista.

O Mãe Coruja, iniciativa idealizada no início do primeiro governo Eduardo Campos pela então primeira-dama Renata Campos, consiste no acompanhamento das mães durante a gestação e também no pós-parto, até que a criança complete 5 anos. O programa é um dos grandes responsáveis pela queda da mortalidade infantil registrada em Pernambuco. Em 2006, segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa em Pernambuco chegava a 22,1 por 100 mil habitantes. Em 2013, o índice havia decrescido para 16 por 100 mil.

O Ganhe o Mundo, criado em 2012 durante o segundo governo Eduardo, é uma iniciativa que permite aos alunos da rede estadual de ensino fazer um intercâmbio de seis meses em outros países, abrindo oportunidades para os estudantes. Na educação, um salto: de 2007 a 2013, o estado passou do 21º lugar para o 4º no ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Também ampliou o investimento de R$ 44 milhões entre 2003 e 2006 para R$ 206 milhões entre 2010 e 2013.

Na segurança, antes do Pacto pela Vida, em 2006, o Bairro de Santo Amaro chegou a registrar a marca de 46 homicídios por ano e era dominado por gangues rivais em estado de guerra. Em 2007, o programa foi criado e a história começou a mudar. Santo Amaro foi escolhido para ser o símbolo do principal projeto do ex-governador, que tinha como meta reduzir anualmente em 12% o número de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), só alcançada em 2009 e 2010. O policiamento aumentou e, um ano mais tarde, um novo programa ajudou a solidificar a ideia de tornar Santo Amaro um exemplo a ser seguido: o Governo Presente, cujo objetivo é garantir a igualdade de oportunidades e o acesso da população às ações do governo nas áreas de maior vulnerabilidade.

No centro das ações de desenvolvimento econômico que mais se destacaram na gestão de Eduardo está Suape, que registrou um aumento considerável no número de investimentos. Entre 2003 e 2006, eram R$ 80 milhões entre verbas federais e estaduais. Ao final de 2013, esse número chegava a R$ 740 milhões. 


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook