Ciência pode testar a hipótese de Deus, diz astrofísico

29/08/2016 – 13:00

Neil deGrasse Tyson afirma que é preciso “superar o criacionismo”



Ciência pode testar a hipótese de Deus, diz astrofísico Ciência pode testar a hipótese de Deus, diz astrofísico

O astrofísico norte-americano Neil deGrasse Tyson ficou famoso no mundo inteiro após se tornar apresentador da nova versão da série de TV “Cosmos”. Ele também fez aparições em séries de TV e filmes. Autor de vários livros, ele já debateu várias vezes a relação entre ciência e religião.

Ele está lançando um novo livro no Brasil, “Morte no Buraco Negro”, onde há uma seção sobre a relação da ciência com a religião. Em outras ocasiões, o cientista já declarou que não tinha evidências que o fariam crer em Deus.

“Debrucei-me sobre o Deus mais popular do Ocidente, o judaico-cristão. Quais são suas propriedades celebradas? A bondade, o poder absoluto e a onisciência. Visto quanto a natureza mata, quer dizer que Ele é assassino? Se sim, não é bondoso. Se não, Ele não é onisciente, ou todo-poderoso. Para mim, essas escolhas parecem randômicas. Não vejo evidências que corroborem a existência de Deus. Se há um terremoto, não é fúria divina”.

“Se Deus tem alguma ação no mundo, a ciência pode testar isso”, declarou esta semana à Folha de São Paulo. O cientista afirma que geralmente não liga para o que as pessoas acreditam ou pensam. Mas acredita que se torna um problema “se você ascender ao poder, quiser criar leis e as basear em suas verdades pessoais”. Para ele, “Este é o começo do fim da sociedade livre”.

Comentando sobre os grandes avanços deste século, comemorou que há estudos hoje que seriam impensáveis na década passada. Acredita também que esse conhecimento científico pode ser aplicado de várias maneiras.

“A ciência pode testar se há um Deus, baseada nas afirmações que você faz sobre o seu Deus”, defende. Esmiuçando a possibilidade, sublinha que os cientistas não estão focados na palavra “prova”. “Não é o que fazemos. O que fazemos é: temos uma ideia, e nós a testamos. E se a ideia sobrevive ao teste e fazemos outros testes e fazemos outras pessoas verificarem, então estabelecemos uma nova verdade sobre o mundo, baseada na série de testes que fizemos.”

O Dr. Tyson entende que se Deus existe, as declarações sobre essa divindade deveriam ser “testáveis”. “Se Deus existe, como ele se manifestaria nesse mundo?” E você diria: “Pessoas que rezam terão suas preces atendidas.” Ou “Pessoas que ficam doentes e que recebem orações têm mais chance de melhorar.” Você pensa em fenômenos testáveis”.

Criacionismo

Em seu livro, lembra que, segundo pesquisas, 20% dos astrofísicos são religiosos. Para ele, isso não é problema, desde que os colegas saibam separar as coisas. “Eles só podem dizer que a religião deles não conflita com a ciência se rejeitarem todos as alegações científicas feitas por sua religião”, defendeu em entrevista à Veja.

Segundo sua concepção, isso é extremamente complicado. “Há um capítulo inteiro na Bíblia sobre a Origem. Eles devem rejeitar sumariamente tudo dito na Gênesis, porque o que é dito lá se opõe à evolução e à história, ou mesmo a idade da Terra. Então eles, os cientistas-religiosos, rejeitam essa parte e mantém os elementos de enriquecimento espiritual. Assim as duas ideias podem coexistir dentro da mesma mente… em certo ponto é preciso superar isso. Aceite, as conclusões científicas são verdades objetivas”, finaliza.


Fonte: Gospelprime.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook