Últimas

Daniel Coelho diz que cenários devem mudar com inserções de TV e rádio

Caminhada que abriu segunda semana de campanha de Daniel foi em
Caminhada que abriu segunda semana de campanha de Daniel foi em gua Fria. Foto: Tom Cabral/Divulgao

Na segunda semana da campanha para prefeito do Recife, o candidato do PSDB, Daniel Coelho, começou fazendo caminhada em Água Fria e na comunidade do Córrego de São Sebastião, localizada no bairro da Zona Norte. A estratégia do tucano é intensificar o ritmo em relação a primeira semana, quando fez outras caminhadas, nas Zonas Norte e Sul, e panfletou suas propostas. Nos próximos dias, além das ações nas ruas, Daniel pretende participar de seis debates temáticos os quais foi convidado, sendo quatro no mesmo dia.

O prefeiturável também aposta nas inserções de TV e rádio, que começam nesta sexta-feira (26). Para ele, os cenários mudam quando o eleitor tem acesso às propostas por meio desses veículos de comunicação.
“Os históricos mostram isso. As pessoas se debruçam sobre a campanha quando começam debates. As Olimpíadas também encerraram no último domingo (21), agora a população deverá discutir a eleição”, comentou.

Sobre o bairro de Água Fria e o Córrego de São Sebastião, Daniel Coelho afirmou que a limpeza e a iluminação dos locais são precárias e criticou a atual administração, do prefeito e candidato à reeleição Geraldo Julio (PSB). “Nunca houve gestão tão elitista, que olhou exclusivamente para os bairros mais privilegiados e esqueceu onde mora a maioria da população. Isso se reflete na iluminação, na limpeza, na mobilidade, na segurança. É muito claro onde a gente visitou.”

O tucano também disse que a ação social e a prevenção da segurança, iniciativas de responsabilidade da prefeitura, não são executadas corretamente no Recife e enfatizou, ainda, a necessidade de fazer funcionar as unidades de saúde existentes antes de construir novas. “A saúde tem sido para a publicidade. Abrem uma unidade nova para mostrar na televisão e esquecem o funcionamento da rede. Temos mais de 180 unidades entre postos, policlínicas e locais de atendimento. Dois ou três trabalham corretamente e o restante está completamente abandonado. Precisamos entender que tratar da saúde é tratar da rede toda”, ressaltou.

A proposta do candidato é dar possibilidade de acesso a exames, especialistas e fazer o paciente concluir o tratamento, fazendo funcionar o que já existe com sistema de gestão informatizado e consultas marcadas pela internet ou por telefone. “Sair prometendo hospital novo para atender à demanda de pesquisa nos levou à situação atual, o Recife campião de hanseníase e de zika. As doenças ligadas à pobreza e a desigualdade social estão presentes no Recife”, alfinetou.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook