Edifício Palmares é vendido ao AL Previdência por R$ 5,4 milhões

Informação foi passada nesta sexta-feira (19) pelo INSS. Prédio deverá abrigar uma secretaria de governo.

 

O Edifício Palmares, localizado no centro de Maceió, foi vendido por R$ 5,4 milhões para o Fundo de Previdência do Estado de Alagoas (AL Previdência). A informação foi passada nesta sexta-feira (19) pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que era proprietário do imóvel.

O INSS informou que o prédio, de 8.615m², teve o valor avaliado pela Caixa Econômica Federal. A venda direta ocorreu após dois leilões realizados pelo órgão federal.

O valor do imóvel foi debitado do crédito que o AL Previdência tem junto ao INSS, gerado pelo déficit, mediante a compensação entre o Fundo de Regime Geral de Previdência Social e o Regime Próprio de Previdência Social, por doação em pagamento.

Após a permuta do imóvel, pelo INSS, a transação foi publicada no Diário Oficial da União, do dia 12 de agosto de 2016. Agora, o processo está na fase de homologação, para que seja elaborada a escritura e depois a entrega oficial ao AL Previdência.

Segundo o INSS, o AL Previdência informou que pretende reformar o imóvel e locar ao Governo deAlagoas que pretende abrigar uma secretaria de estado e, com isso, capitalizar o Fundo de Previdência do Estadual.

O imóvel que pertencia ao Ministério da Saúde e já abrigou diversos órgãos federais, foi repassado ao INSS, por decisão judicial, para que ele fosse vendido ou demolido. O local foi alvo de depredação por vândalos.

Leilões
O edifício já havia sido colocado em leilão mais de uma vez, no entanto, nunca houve interessados na compra. O prédio já abrigou diversos órgãos federais, mas deixou de funcionar e teve a estrutura condenada.

Durante o tempo em que ficou fechado, foi alvo de uma série de depredações. Nenhuma reforma foi feita no local, e o prédio, então, foi posto à venda. Como nenhum comprador apareceu, foi realizado o primeiro leilão, mas não houve propostas para arrematar a propriedade de 8.615m².

 

G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook