Em 'prévia' do impeachment, Temer e Dilma lutam por apoio de indecisos

Em uma nova fase do processo que se inicia nesta terça-feira, 9, considerada a “prévia” do impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, o governo do presidente em exercício, Michel Temer, e a petista lutam por apoios para o julgamento decisivo, previsto para ocorrer no final deste mês. Enquanto aliados do peemedebista buscam consolidar a maioria que levou ao afastamento de Dilma em maio, os defensores de Dilma trabalham para conquistar apoio de um grupo de senadores que, ao menos publicamente, disse não ter se decidido pela condenação ou absolvição dela.

O foco das atenções, na sessão da sentença de pronúncia prevista para começar às 9 horas desta terça-feira, sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, são os 20 votos, de acordo com o Placar do Impeachment, publicado pelo Grupo Estado, que ainda constam como indecisos ou não quiser revelar seu voto no julgamento de Dilma.

Aliados de Dilma já admitem, reservadamente, que não contam com votos suficientes para impedir a aprovação da pronúncia, quando o Senado dirá que o processo por crime de responsabilidade contra a presidente afastada é válido. Para essa votação, basta a maioria simples de votos, desde que ao menos 41 dos 81 senadores tenham registrado presença.

Contudo, a “prévia” do julgamento poderá dar uma indicação sobre o julgamento definitivo de Dilma, quando são necessários ao menos 54 dos 81 votos dos senadores (dois terços do total). Pelo última atualização do Placar do Impeachment, nenhum dos dois lados tem votos suficientes para garantir uma vitória na próxima decisão – ao todo 43 senadores se dizem a favor do impedimento da petista (11 a menos que o mínimo) e outros 18 afirmam ser contra (10 a menos de se garantir uma absolvição certa dela).

Em maio, Dilma foi afastada temporariamente do cargo por uma votação que, se repetida futuramente, levaria à condenação dela: 55 favoráveis e 22 contrários. Entretanto, vários senadores ressalvaram na ocasião que votariam para retirá-la momentaneamente do cargo, mas que isso não era indicativo de condenação dela. Dos dois lados, o assédio recai agora sobre senadores como Wellington Fagundes (PR-MT), Acir Gurgacz (PDT-RO), Romário (PSB-RJ) e Otto Alencar (PSD-BA).

Ainda assim, Temer e aliados estão confiantes no resultado. A aposta do governo é tentar chegar a 60 votos contra Dilma. Para tanto, o presidente em exercício, em quase três meses, distribuiu cargos do primeiro e segundo escalão, convocou senadores para discutir projetos e liberação de recursos para obras em seus respectivos Estados e ainda passou a contar com o apoio do presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), outrora desafeto histórico de Temer e resistente ao impeachment de Dilma que, no entanto, passou a chancelar o governo do interino.

O Planalto e o próprio Temer atuaram junto a aliados do Senado para minimizar o impacto das declarações de Marcelo Odebrecht publicadas pela revista Veja deste final de semana. Em declarações à força-tarefa da Operação Lava Jato, o empresário teria repassado R$ 10 milhões em dinheiro vivo ao PMDB em 2014, a pedido do hoje presidente em exercício. A um aliado no PMDB, Temer se defendeu dizendo que sua campanha foi regular e, tranquilo, ainda pediu pressa mo julgamento a fim de implementar como presidente efetivo uma agenda de retomada da economia brasileira.

Para esse aliado, o efeito da delação de Odebrecht não “colou” em Temer. E faz o seguinte raciocínio: a seu ver, não houve uma repercussão de denúncia desse porte na véspera da votação da sentença de pronúncia porque Dilma não se oferece mais como alternativa.

Aliados de Dilma no Senado, entretanto, dizem trabalhar nos bastidores pelos votos dos indecisos. Na contabilidade deles, só precisam de cinco ou seis votos – tendo como pressuposto de que teriam ao menos 22 ou 23 de partida. Esperam, para tanto, amplificar na sessão de hoje as acusações de que Temer, se for efetivado, será impedido de ser investigado a respeito da delação de Marcelo Odebrecht assim como de outras eventuais delações que estejam por vir. Também vão lançar mão de manobras regimentais para tentar paralisar ou pelo menos retardar o processo que, a partir de agora, será comandado por Lewandowski.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarca nesta terça-feira em Brasília para reforçar a articulação por votos em favor de Dilma. Contudo, aliados da presidente afastada andam descrentes diante do fato de que Dilma teve seu principal discurso para reverter uma provável condenação esvaziada na semana passada após o presidente do PT, Rui Falcão, se posicionar contra a ideia de novas eleições. Essa sugestão constará de uma carta que a presidente afastada pretende divulgar aos senadores nesta semana.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook