Últimas

Estrangeiros são expulsos da Arábia Saudita por carregarem Bíblias

Estrangeiros são expulsos da Arábia Saudita por carregarem Bíblias

Bíblia no peito

O livro The Death Penalty: A Worldwide Perspective [Pena de Morte: Uma perspectiva Mundial], escrito por Roger Hood e Carolyn Hoyle é uma das obas mais completas disponíveis sobre o assunto. Ele afirma que a Arábia Saudita está entre os países onde a “apostasia” ou abandono da fé, ainda é punida com a morte.

Na prática, isso significa que ninguém pode seguir a Jesus livremente. O relato mais recente desse tipo foi punição foi noticiado no início do ano passado.

Desde 2014, circulam informações sobre uma lei que traria igual punição a todo o saudita que fosse encontrado de posse de uma Bíblia. Se fosse estrangeiro, seria imediatamente deportado. A denúncia, feita pela Missão HeartCry, foi amplamente difundida por órgãos de imprensa especializados em religião, que procuraram a embaixada da Arábia Saudita nos Estados Unidos e sua representação junto à ONU.

Em ambos os casos eles se recusaram a confirmar, mas também não negaram. O motivo é simples: os sauditas até recentemente dirigiam o conselho de Direitos Humanos da ONU.

Esta semana, o governo da Arábia Saudita prendeu 27 imigrantes cristãos que foram encontrados lendo a Bíblia em suas casas e fazendo orações. Todos são oriundos do Líbano e mudaram para lá por causa do trabalho.

A polícia religiosa descobriu os cristãos nos arredores de Meca, cidade símbolo do Islã, para onde os muçulmanos devem fazer a peregrinação pelo menos uma vez na vida. Entre os presos estavam crianças. Segundo a agência de notícias Al Masdar, todos foram deportados e proibidos de retornar.

Proibição dos símbolos cristãos

Oficialmente, os cristãos no país são menos de um por cento. Todos são estrangeiros. Há milhares de pessoas que vão para lá na tentativa de melhorar de vida. Contudo, a perseguição é forte e não existem igrejas reconhecidas pelo governo.

Na semana passada, o site Middle East Eye divulgou que a restrição no país a todas as formas de culto não-islâmico está aumentando. Isso inclui a exibição de símbolos que possam simplesmente lembrar a cruz.

A polícia religiosa fez uma intervenção na International School, na capital Riad. Eles exigiram que a bandeira do Reino Unido presente no uniforme fosse coberta. A alegação é que ela representa a cruz cristã. Como a escola é bilíngue, de um lado fica a bandeira da Arábia e do outro a bandeira britânica. Com informações de Christian Daily


Fonte: Gospelprime.com.br

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook