Últimas

Evento de Pokémon Go movimenta Corredor Vera Arruda, na Jatiúca

Treinadores foram atrás dos 5 pokéstops do local neste domingo (28). Teve quem aproveitou a oportunidade para faturar um dinheiro extra.

 

Um encontro de jogadores de Pokémon Go organizado através das redes sociais levou centenas de pessoas ao Corredor Vera Arruda, no bairro da Jatiúca, em Maceió, na tarde deste domingo (28).

Além da missão de caçar os monstrinhos, muita gente aproveitou para passear com a família, caminhar com o bichinho de estimação e até faturar um dinheiro a mais.

Muitos jogadores falam que Caçar Pokémon virou atividade de família. Este é o caso do empresário Marcos Aurélio Paula, que participou do evento com os dois filhos e uma amiga da família. “Nós já jogamos há um bom tempo. Chegamos aqui no corredor às 15h, e já pegamos muitos monstrinhos. Quando dá fome, a gente vai em casa, come, e depois volta”, conta.

A bióloga Samia, além de aumentar sua coleção de monstrinho, também aproveitou para levar o cãozinho para passear. “Hoje aqui está bem legal, porque tem muita gente, e dá mais segurança”, diz.

A biológa Samia Miranda foi caçar Pokémon  e levar o cachorro para passear (Foto: Derek Gustavo/G1)
A biológa Samia Miranda foi caçar Pokémon e levar o cachorro para passear (Foto: Derek Gustavo/G1)

A segurança no Corredor Vera Arruda foi feita pela Guarda Municipal, que recebeu um reforço no efetivo. De acordo com a inspetora Lívia, pelo menos 500 pessoas passaram pelo local, e até o fim do dia, o número deve aumentar ainda mais.

“Temos 12 guardas municipais trabalhando aqui, e até agora tem corrido tudo tranquilamente. Não registramos nenhum incidente. Vamos ficar por aqui enquanto houver movimento”, afirma a inspetora.

A quantidade de gente no local também pode ser atribuída aos 5 pokéstops colocados no corredor. Em cada um, foi instalado um item chamado “Lure”, que atrai ainda mais monstrinhos. Isso não impediu que muita gente ali fizesse exercícios físicos. O engenheiro Manoel Lins, que também é treinador Pokémon, uniu as duas coisas.

“Estou correndo de um pokéstop para outro, pegando os itens. Nesse vai e vem, já corri 3,5km. Está sendo ótimo para colocar a corrida em dia”, relata Lins.

Treinadores circulavam pelo Corredor Vera Arruda atrás dos monstrinhos (Foto: Derek Gustavo/G1)
Treinadores circulavam pelo Corredor Vera Arruda atrás dos monstrinhos (Foto: Derek Gustavo/G1)

E se o evento é bom para aumentar a coleção de Pokémons, para a Carine de Oliveira Silva, estudante de letras da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), o momento era bom para ganhar dinheiro. Ela levou mousses para vender a quem passava pelo local.

Para chamar a atenção de possíveis “pokéclientes”, ela batizou os doces com nomes de itens do jogo. O de morango, por exemplo, era o “pokébola”, o de maracujá, “S Potion”, usado para restaurar a energia dos monstrinhos, e assim por diante. A estudante conta que a estratégia tem funcionado.

“Quem passa por aqui para para olhar, pergunta e acaba comprando. A ideia eu tive com a minha irmã. Pensamos em vender doces aqui, mas não sabíamos como fazer para chamar a atenção. Aí, resolvemos batizar os doces com nomes de itens do jogo. Dando certo aqui, a gente vai continuar com o negócio”, afirma Carine.

Carine aproveitou o evento para vender mousses com nomes de itens do jogo (Foto: Derek Gustavo/G1)
Carine aproveitou o evento para vender mousses com nomes de itens do jogo (Foto: Derek Gustavo/G1)
saiba mais
 
G1

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook