Últimas

Feliz por jogar no Maracanã, Micale 'esconde' time que vai enfrentar Honduras

O treinador da Seleção Olímpica exaltou Gabriel Jesus, falou sobre Neymar, privilégio de jogar no Maracanã e muito mais!

Ainda durante o treino da Seleção na Granja Comary, o técnico Rogério Micale deixou Teresópolis antes mesmo do fim da atividade. O motivo da pressa era uma rápida viagem para o Rio de Janeiro, onde o comandante da equipe masculina concedeu entrevista coletiva.

No Maracanã, Micale elogiou o time de Honduras, adversário na semifinal que será realizada quarta-feira (17), e disse que a Seleção Brasileira não deve passar por grandes mudanças na escalação. Confira os principais momentos da coletiva.

Sobre a equipe hondurenha

“Acompanhamos os jogos de Honduras da primeira fase, sabemos a equipe que vamos enfrentar, extremamente rápida no contra-ataque, com boa força física, que trabalha com duas linhas muito juntas. A primeira com cinco, outra com quatro e um homem de referência à frente. Tem um jogo apoiado, é uma boa equipe, não está na semifinal à toa. Temos situações para trabalhar”.

A equipe de Honduras eliminou a Argentina na fase de grupos (Foto: Celso Junior/Getty Images)

“Ele (técnico de Honduras) fala com consciência do desporto que oferece três resultados: empate, derrota e vitória. Está no papel dele, de treinador de uma equipe que vem surpreendendo, eliminou a Argentina com um empate, empatou também com Portugal, venceu a Coreia, que é uma equipe muito boa, vem desenvolvendo potencial na base. Ele tem direito de sonhar com isso, assim como nós”.

“Assim como o técnico de Honduras está confiante na equipe dele, nós também estamos na nossa. A seleção brasileira sabe da importância dessa medalha, da passagem para a final, desde já peço apoio do torcedor, acredito que o estádio estará lotado. Honduras vai tentar trabalhar com os nervos da nossa equipe, transferir responsabilidade, é um jogo de muita paciência pela formação que ele usa”.

“Teremos que ter muita tranquilidade para não proporcionar o que eles têm de mais forte, que é o contra-ataque. Vamos tentar com muito equilíbrio, mas muita confiança”.

Mistério na escalação

“Minha formação está definida, mas vamos falar no momento do jogo. Não vai mudar muita coisa em relação ao que estamos fazendo”.

Jogar no Maracanã

“É um grande prazer estar num estádio que representa tanto para o futebol brasileiro. Vou olhar o gramado depois da entrevista, será um privilégio para mim e minha equipe fazer um jogo tão importante num palco como esse. Nos sentimos muito felizes”.

Críticas pelos resultados iniciais

“Conseguimos dois bons resultados depois, se eles não acontecessem, as críticas não teriam servido de nada. Nós não estaríamos aqui. Elas são positivas a partir do momento em que a gente consegue e notar fundamentos em determinadas cobranças. Algumas não fazem sentido porque não tratam do futebol, especificamente, são detalhes que não fazem diferença. Isso é normal, infelizmente”.

Contra África do Sul e Iraque, o Brasil não foi bem… e não faltaram críticas (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)

“Nossa equipe soube lidar bem com a pressão de ter que buscar uma medalha, principalmente a de ouro. As coisas não aconteceram da forma que esperávamos, veio um momento de questionamento, mas a equipe suportou, criou essa casca e nos deu força para ir em busca de um objetivo maior. Foi bom para nos fortalecer. Acredito que chegamos mais fortes à essa decisão”.

“O resultado não deveria pautar nosso relacionamento com o futebol, essa oscilação de humor que temos de uma semana para outra. Em uma está tudo errado, na outra tudo certo. Se ganhar é o melhor do mundo, se perder tem que começar tudo de novo. Essa mudança de humor nos atrapalha muito”.

“Você vai atrás de um arquiteto para desenhar uma casa, do engenheiro, e no meio do processo acha que o arquiteto não era bom, e recomeça tudo de novo. Assim, nunca teremos uma obra construída. Deveríamos avaliar se a forma de fazer é bem feita ou não. Se for, em algum momento você vai colher o resultado desse bom trabalho. Mas se destruirmos a cada resultado ruim, nunca teremos nada”.

“Acho que todos nós temos responsabilidade nesse processo. Eu, como profissional, vocês da imprensa, outras pessoas envolvidas nesse meio. Tomara que o futebol ganhe no masculino e no feminino, mas não será sinal de que está tudo perfeito”.

“A seleção brasileira, a cada jogo, é um novo momento, novas emoções, o risco de a vitória acalmar ou na derrota os questionamentos aparecerem. A cada jogo vivemos essa situação, sabemos que vivemos assim, esperamos estar num bom dia para seguir nosso caminho adiante e realizar nosso sonho”.

Elogios para Gabriel Jesus

“Gabriel Jesus é extremamente importante para nossa equipe, é impressionante a maturidade que ele já apresenta pela juventude que tem, um atleta que corresponde ao que existe de vanguarda no futebol mundial, um jogador com quem podemos contar não só centralizado, mas principalmente pelas beiradas, com um pra um muito forte, de várias qualidades ofensivas, mas uma noção tática defensiva”.

Gabriel Jesus engrenou na Olimpíada (Foto: NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

“A noção defensiva do Gabriel Jesus é espetacular, ele se entrega à equipe, faz parte desse contexto tático, absorve muito bem. E jogando pela beirada nos ajuda muito no momento defensivo. É o tipo de jogador que não foi vendido à toa para um grande clube mundial, tem todos os atributos que o futebol moderno exige. Um jogador do nível dele sabe atuar em todas as funções na frente. Gabriel Jesus trilha o caminho para se tornar um dos grandes atletas do mundo”.

Temperamento de Neymar

“O Neymar é um jovem, um atleta com muita responsabilidade, teve que se tornar protagonista cedo, o amadurecimento dele é inerente à rodagem que está tendo. Ele aprende com os erros, nós vemos isso nele, se ele errou no passado, está tentando acertar no presente e para o futuro. Eu creio e espero que ele consiga. Jogo de futebol é acalorado, com nervos à flor da pele, somos seres humanos”.

Neymar mostrou destempero, ao ser provocado pelos colombianos (Foto: NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

“Todos podemos cometer erros, o Neymar não é diferente nesse sentido. Espero que ele responda bem”.

Relacionamento com Tite

“Fazemos um trabalho muito integrado com o Tite, o Edu, toda nossa atenção está voltada à Olimpíada, é um esforço da CBF para não perdermos o foco. Esse adiamento nos ajudou, até porque é um foco a menos que seria desviado. O relacionamento com o Tite é o melhor possível, não tenho nenhum receio de ligar para perguntar ou solicitar a opinião quando tenho qualquer dúvida”.

(Foto: Lucas Figueiredo / MoWA Press)

“Estou aberto para ajudar porque sei que ele está chegando à seleção brasileira, vejo que ele também não tem nenhum melindre em ouvir qualquer opinião ou ser ouvido. É um relacionamento muito aberto e tranquilo de ajudar, o objetivo é trabalhar junto para que possamos fazer o melhor trabalho possível. Ele terá todas as informações necessárias para fazer sua relação”.


GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Marquinhos: sem medo de fantasmas | Brasil: as semifinais olímpicas | Brasil vs Colômbia: 5 lições


“Eu convocaria todos os 18 da seleção olímpica (risos), mas a responsabilidade dele é muito grande, com a competência que ele já demonstrou nos clubes, vai nos conduzir muito bem nas eliminatórias”.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook