Geraldo Julio diz que saída de Dilma foi o mesmo que trocar

Logo após participar de uma caminhada na rua Gomes Taborda, conhecida por rua da Lama, no Cordeiro, nesta quarta-feira (31), o prefeito do Recife e candidato à reeleição, Geraldo Julio (PSB), falou sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Na avaliação do socialista, o resultado da votação no Senado promoveu uma mudança que pode ser considerada como “seis por meia dúzia”.

Segundo ele, o país vai continuar sendo governado pelo “mesmo pessoal que estava tomando conta e que vai continuar. Foi o PT, junto com Dilma e Temer, que afundaram o país nessa crise”, observou, acrescentando que a saída de Dilma não vai trazer a mudança esperada pelo povo brasileiro.

“Agora, esperamos que o governo federal assuma a responsabilidade de fazer a economia crescer, voltar a gerar emprego para população. Isso que é fundamental”. Para justificar suas declarações, Geraldo Julio lembrou, ainda, que o presidente Michel Temer (PMDB) até pouco tempo era o coordenador político do Governo Dilma.

Questionado sobre a melhor proposta para o país, argumentou que o Brasil está precisando de outro tipo de governo e de outra prática política. “Foi o que apresentamos em 2013 quando rompemos (com o governo Dilma) e, em 2014, durante o processo eleitoral quando apresentamos uma candidatura (Eduardo Campos) para mudar o rumo da economia e para mudar a prática política. Foi essa a posição do nosso partido e é essa a posição que permaneço”, garantiu.

Já o vice-prefeito Luciano Siqueira (PCdoB), também presente à caminhada, afirmou que esta quarta-feira representa um marco para a história política e institucional do país porque se consumou um “golpe de estado” pela via parlamentar.

O vice-governador Raul Henry (PMDB), por sua vez, observou que em primeiro o brasileiro tem a obrigação de torcer pelo Brasil. “A economia brasileira é muito resiliente, responde com muita facilidade aos estímulos e se o novo presidente Michel Temer encaminhar para o Congresso Nacional as medidas corretas: o teto do gasto público, a reforma da previdência, a reforma da legislação do trabalho, uma reforma política, se possível, haverá naturalmente uma retomada da confiança”, previu.

Sobre a saída de Dilma Rousseff afirmou que do ponto de vista jurídico existe uma discussão, “mas o fato é que ela descumpriu a lei de responsabilidade fiscal e quebrou o país para ganhar uma eleição”, disse. A respeito da decisão dos senadores de cassar o mandato, mas manter os direitos políticos da petista, Raul Henry alertou que a decisão cria “um precedente perigoso” porque existem outros políticos com pendências judiciais e que o Supremo Tribunal Federal (STF) precisa se pronunciar sobre o assunto.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook