Últimas

Mãe faz campanha para ajudar em tratamento de filho surfista acidentado

Jovem foi atropelado, sofre com sérias lesões na face e precisa passar por cirurgia

 

Toda criança, jovem ou adulto tem um sonho. O sonho de Victor Ramos, 19 anos, é ser um surfista, poder jogar bola, aproveitar a vida com os amigos, ter um trabalho, concluir os estudos. Porém, tudo isso foi interrompido por conta de um acidente, que deixou o surfista promissor com várias lesões no rosto e levou sua mãe a travar uma batalha para arrecadar, por meio de uma campanha, fundos para realização de uma cirurgia que daria autoestima e, principalmente, a saúde de volta ao jovem.

Filho de Moab Ramos, um dos grandes representantes do surf em Alagoas e designer de pranchas, Victor Ramos ainda tem o irmão João Victor como praticante da modalidade esportiva.

A prática do surf começou aos três anos de idade e não parou mais. Em 2010 conquistou o primeiro título alagoano, provas em outros estados, título regional em 2013, melhor atleta do ano em 2014, fechando acordo com patrocinadores que acreditavam no seu potencial. Mas, tudo isso foi interrompido por um acidente.

tropelado por um carro. O condutor fugiu sem prestar qualquer tipo de socorro. A partir daí começava o calvário do jovem.

Ele foi encaminhado em estado grave para o Hospital Geral do Estado, onde permaneceu até ser transferido para a Urgência do Hospital UNIMED em Maceió. O relatório médico apontou múltiplas fraturas no maxilar, perda total ou parcial de 14 dentes e cirurgias realizadas em caráter de urgência para minimizar possíveis traumas.

Do pescoço para baixo, Victor está normal, até surfa, mas sem participar de competições, joga bola com alguns amigos. No entanto, a face vem sofrendo com as lesões. O jovem precisa usar uma espécie de “prótese”, uma vez que perdeu vários dentes de forma permanente, tem dificuldades para mastigar e falar.

Para piorar a situação, com o passar do tempo o rosto vai passando por um afundamento, tendo em vista que ele perdeu toda a sustentação, já que perdeu dentes e suas raízes. A mãe, Maristela Galindo, deu início a uma árdua caminhada e campanha em busca da solução para o problema do filho.

Ela disponibilizou uma conta corrente e criou uma “vaquinha” on-line (Clique Aqui) para arrecadar fundos para uma cirurgia, que juntamente com o tratamento, vai custar em torno de R$ 60 mil e não terá o apoio dos patrocinadores, que encerraram o vínculo com o atleta após o acidente.

“Ele está bem na medida do possível. Continua fazendo algumas atividades, mas muito limitadas. Ele não pode trabalhar, porque precisaria faltar muito para ir ao médico. Não conseguiu terminar os estudos por conta disso. Não é por estética, mas por saúde. Ele teve afundamento da face, perdeu os dentes e o lado esquerdo do rosto perdeu a sustentação, que vem das raízes dos dentes e a tendência é piorar, podendo ficar defeituoso. Já tem dificuldades para falar e mastigar. Por fora ele tem cicatrizes. Ele quer se sentir vivo, fazendo o que gosta, mas a destruição foi toda na boca”, desabafou a mãe.

Muito emocionada, a mãe relatou um dos momentos mais difíceis neste ano que se passou depois do acidente. “Quando soube dos valores para cirurgia e tratamento, tomei remédios, fiquei desesperada. Mas, três dias depois, meu filho mais novo me mostrou fotos dos irmãos e eu sabia que precisava ser forte. Não é fácil. Um dia eu entrei noquarto do Victor e ele estava chorando. Perguntei a ele porque estava daquele jeito e ele falou que eu não conseguiria todo aquele dinheiro e que ele ficaria defeituoso mesmo (choro). Dói demais ver o meu filho sofrer daquele jeito. Eu sou mãe e vou até o fim por ele”, afirmou.

A luta será longa. Alcançar o valor esperado não será fácil, tendo em vista que através das redes sociais, campanhas, vaquinhas, o que foi arrecadado foi a quantia de R$ 640 e um aparelho ortodôntico, doado por um amigo da família.

Mostrando dificuldade na fala, o principal interessado no final feliz dessa história, Victor Ramos, disse, rápido e sucinto, qual o seu sonho para o um futuro próximo. “Não penso em muita coisa. Quero ficar bom, surfar, jogar bola. Fazer o que sempre fiz”, completou.

 

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook