Últimas

O desequilíbrio entre os setores na Seleção Brasileira

Tite terá missão de equilibrar os setores, principalmente o ataque e a defesa brasileira

Depois dos resultados ruins, Dunga deu lugar à Tite no comando Seleção Brasileira. O cenário que era de pessimismo com o antigo treinador se renovou para otimismo com o ex-corintiano. 

 

Diferente de Dunga, Tite tem a simpatia e a confiança da imprensa e dos torcedores que acreditam numa nova fase. Apesar disso, o treinador sabe das dificuldades que terá pela frente principalmente nesses dois próximos jogos.

 


(Foto: Pedro Martins / MoWa Press)

 

O discurso de que jogar bonito ficará para depois e que a convocação foi em cima de jogadores que estão preparados para encarar os duelos contra o Equador, na Altitude, e contra a Colômbia, em Manaus foi extremamente sincero.

 

Mas apesar disso, na lista de Tite existe um certo desequilibrio entre o ataque e a defesa. Enquanto no setor ofensivo temos jogadores quase que incontestáveis e promissores, o defensivo é de longe onde os nomes podem ser discutíveis.

 

Apesar de ainda não ter confirmado o trio de ataque deve ser formado por Neymar, Willian, com Gabigol e Gabriel Jesus disputando a última vaga. Mas independente de qual dos dois comece a partida estaremos bem representados.

 


(Foto: Getty Images)

 

Neymar é o craque do time, um dos melhores jogadores do mundo. Já Willian se encontrou na Seleção após a Copa do Mundo de 2014 e hoje é um dos jogadores mais regulares da Canarinho. Gabigol e Gabriel Jesus são promessas que já mostraram seu valor, seja no Campeonato Brasileiro ou na Seleção Olímpica. No caso de Gabigol, o atacante entrou com autoridade nos jogos da Seleção principal.

 

Por outro lado, Tite deve escalar Miranda e Gil com Casemiro e Paulinho a frente da zaga. Poucas desconfianças em cima de Miranda que deve ser inclusive um dos capitães do novo treinador. 

 


(Foto: Pedro Martins / MoWa Press)

 

Já nos casos de Gil e Paulinho as desconfianças são grandes. Apesar da boa fase que viveu no Corinthians o zagueiro não é uma unamidade e está no futebol chinês desde o início do ano. 

 

O caso de Paulinho é ainda mais complicado, depois da fraca passagem pelo Tottenham, da Inglaterra, o jogador se transferiu para o futebol chinês, e não vinha fazendo parte da Seleção Brasileira há muito tempo.

 

Diante desses momentos divergentes, Tite terá a missão de encontrar o equilíbrio necessário para que a Seleção quebre o tabu de nunca ter vencido o Equador em Quito pelas Eliminatórias de Copas do Mundo e reencontre os bons ventos que fizeram da Canarinho a pentacampeã do mundo.

 

O Brasil encara o Equador nesta quinta-feira(1), às 18h, em Quito. Em seguida, viaja para Manaus onde enfrenta a Colômbia no dia (6).


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook