Processo de impeachment de Dilma Rousseff tem só mais duas votações

Em uma sessão marcada pelo embate entre governistas e oposicionistas, integrantes da comissão especial do impeachment aprovaram, por 14 votos favoráveis e cinco contrários, o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). O documento recomenda que a presidente afastada, Dilma Rousseff, seja levada a julgamento. O presidente do colegiado, Raimundo Lira (PMDB-PB), só votaria em caso de empate. A sessão durou aproximadamente três horas, e 22 senadores discursaram. O senador Wellington Fagundes (PR-MT), por motivos pessoais, foi o único titular que não compareceu.

Agora, na próxima terça-feira, o mesmo relatório será submetido à votação em plenário. Para ser aprovado é necessário maioria simples, o que significa metade dos senadores presentes mais um. A sessão será comandada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que ontem esteve no Senado para definir o rito com o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Em caso de o parecer ser aprovado, os senadores vão votar, com data ainda em aberto, o afastamento definitivo da petista. O mais provável é que a sessão de julgamento final tenha início em 25 ou 26 de agosto e se estenda por até cinco dias. Neste caso, para afastar a presidente de maneira definitiva, são necessários 54 votos. A data, no entanto, só será confirmada por Lewandowski após o término da sessão da próxima terça-feira.

Foto: Arte CB
Foto: Arte CB


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook