Últimas

Bando de Loucos: Se não eu, quem vai fazer você feliz?

“O grande problema de Carille é o homem gol. Na ausência de Gustavo, para o esquema que o treinador pretende jogar, a opção é Angel Romero”




GOAL Por Luís Butti, de São Paulo


 

E Fábio Carille conseguiu. Provou que a promessa de vida no seu coração conforme eu  disse semana passada (leia aqui no Goal) era bem real. Classificou mesmo o Corinthians para as Quartas de Final da Copa do Brasil eliminando o Fluminense, e agora enfrenta o Cruzeiro de Mano Menezes.

 

Tropeço à parte contra o mesmo Fluminense pelo Brasileiro domingo, o time de Carille demonstra ser muito mais um criador de esperança do que o patético time de Cristóvão Borges. Há triangulação. Há compactação. Existem treinos específicos para corrigir falhas, como posicionamento em cruzamentos, finalizações e último passe. O aspecto “titesco” vai voltando pouco a pouco. Tende a melhorar a cada semana, embora alguns resultados digam o inverso.

 

Creio que ainda falta corrigir duas coisinhas essenciais: o momento de chutar e a integração zaga-goleiro. Parece que ainda não estão em sintonia.

 

Mas o grande problema de Carille é o homem gol. Na ausência de Gustavo, que não pode jogar a Copa do Brasil, para o esquema que o treinador pretende jogar, a opção é Angel Romero. Única e exclusivamente Angel Romero.

 


(Foto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians / Divulgação)

 

Sabemos, Romero não é um primor tecnicamente. Foi útil em diversos jogos em 2016, com gols e assistências, mas, além das limitações, vive uma fase terrível. Apanha da bola. Um simples passe para que Romero faça o um a um contra o zagueiro adversário vira um dramalhão mexicano. Ou paraguaio, como preferir.

 

Na maioria das vezes, com final infeliz. Ele sempre perde a bola.

 

Mas, contra o Cruzeiro, a solução para o sucesso do Corinthians vencer o primeiro jogo na Arena Corinthians, só pode ser Romero. Apesar de um meio campo e um ataque extremamente habilidoso, as opções de sistema defensivo do Cruzeiro, com Léo, Manoel, Ezequiel, Lucas, Edimar e Bruno Rodrigo transforma o setor em algo bastante problemático. Lenta. Vulnerável.

 

Mano Menezes definitivamente não conseguiu acertar a defesa. E é justamente aí que entra Angel Romero.

 

Com Carille usando um esquema definido, Romero sabe que dificilmente perderá a vaga. Seus “adversários” pela posição são, ou meias improvisados (como Lucca), ou meninos da base, que por mais que a gente queira ver em campo, dificilmente entrarão de cara em jogos mais pegados.

 

Se o meio-campo do Corinthians não brilhar, a esperança solitária de felicidade contra a defesa do Cruzeiro será um lampejo de Romero. Assim como foi contra o Flamengo, meses atrás. 

Torcemos por Romero então. Se não ele, quem será o cara da felicidade ?


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook