Últimas

CR7 desequilibra, mas empate com o Dortmund voltou a escancarar a queda do Real sem Casemiro

Análise: Real Madrid fez um bom jogo, mas durante todo o jogo sentiu falta de um meio de campo mais seguro contra o excelente Borussia Dortmund


GOAL Por Tauan Ambrosio 


Já era possível esperar um jogo emocionante entre Borussia Dortmund e Real Madrid. Seja pela lembrança dos confrontos recentes, ou pela intensidade que as equipes vêm mostrando desde a última temporada.

E o confronto entre o vice-líder da Alemanha com o atual líder da Espanha não decepcionou. Foi o jogo com mais tentativas completas de chutes a gol nesta terça-feira (27), dentre todas as partidas da Champions League (15 arremates no total). O primeiro tempo já começou mostrando o equilíbrio que daria o tom no Westfalenstadion.

Se Cristiano Ronaldo ameaçou primeiro, em cobrança de falta defendida por Burki, Gonzalo Castro respondeu da mesma maneira logo depois – obrigando Keylor Navas a fazer uma excelente defesa. Tudo isso em pouco mais de três minutos.

O Borussia Dortmund contava com o fator casa, o que não é pouco considerando a torcida aurinegra, e vinha de bons resultados na Bundesliga. Já o Real Madrid chegava depois de dois tropeços e um início de polêmica envolvendo Zidane e Cristiano Ronaldo, que soltou palavrões depois de ser substituído no empate em 2 a 2 com o Las Palmas, pela liga espanhola.

Durante a semana, muito se falou sobre a relação entre Zidane e C.Ronaldo (Foto: Getty Images)

A aposta dos blancos era normal para a grande maioria dos times visitantes que enfrentam uma boa equipe: segurar a pressão inicial e encaixar um bom contra-ataque. E até por isso era possível ver Cristiano Ronaldo e todos os seus companheiros atrás da linha da bola. Defendendo, o Real Madrid se postava em um 4-4-2 (ora CR7, ora James pela esquerda do meio); no ataque, variações do 4-3-3 com um 4-2-3-1 quando James Rodríguez centralizava os lances de criação.



GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Crônica: Dortmund 2×2 Real Madrid | A repercussão do jogaço! | UCL: outros jogos!


Com os setores mais equilibrados no 4-1-4-1 de Tomas Tuchel, o Borussia Dortmund pressionava. Com rápidas trocas de passes, avançava no campo e conseguia criar espaços que os madridistas não esperavam.

Sem Casemiro para ajudar na defesa, Kross se esforçou… e apareceu muito bem na criação de jogadas: 4 chances saíram de seus pés (Foto: Getty Images)

A ausência de Casemiro era, mais uma vez, nítida no meio de campo do Real Madrid. O time fica mais vulnerável, e frágil na defesa sem o talento do volante. Mesmo sobrecarregado pela ausência do brasileiro, Kroos apareceu como uma flecha pelo meio para receber o passe de Benzema. O contra-ataque fatal estava em curso, e o francês – que havia desperdiçado dois anteriormente – ainda conseguiu deixar Sokratis no chão. Não faltava espaço para Toni Kroos avançar e criar, o mais rápido possível, a jogada.

Chute rápido e forte para abrir o placar (Foto: Getty Images)

Polêmica resolvida! (Foto: Getty Images)

O alemão viu CR7, que renunciou ao toque que eventualmente chegaria em Bale. O galês fez a jogada individual na ponta-direita e, contando com a sorte, o seu passe chegou aos pés de Cristiano Ronaldo. Pressionado pelos adversários, o camisa 7 não fez graça: chute seco, com o peito do pé: 1 a 0. Na comemoração, abraço em Zidane. A polêmica de ontem já estava resolvida por hoje.

Navas falhou feio… mas depois se redimiu quando o BVB começou uma incrível pressão: foram 10 chutes em sua direção (Foto: Getty Images)

Com o resultado favorável, o Real Madrid ganhou a confiança que lhe parecia faltar nos minutos iniciais. Apesar do esforço do Dortmund – principalmente pelo seu lado direito de ataque, obrigando Danilo, improvisado na esquerda, a trabalhar bastante -, o ritmo tinha diminuído. Mas os aurinegros também contaram com a sorte. E daquelas que não acontecem toda hora, pois o gol de empate veio em uma falha clamorosa do regular goleiro Keylor Navas. Voltando de lesão, o costarriquenho afastou mal uma bola, e Aubameyang (seguido sempre de perto por Varane) aproveitou para empatar no final do primeiro tempo.

Um pouco mais à vontade no segundo tempo, os espanhóis voltaram a ficar na frente aos 68 minutos. Escanteio curto e cruzamento de Cristiano Ronaldo. Benzema acerta a trave duas vezes e Varane aparece para empurrar para dentro: 2 a 1.

Apesar de claramente ainda não estar na sua melhor forma física (muito pelo contrário!), CR7 mostrava o seu poder decisivo para o clube espanhol. Não encantou, mas contribuiu com um gol e uma assistência. A sua jogada mais bonita aconteceu aos 78’, quando entrou na área e driblou alguns marcadores antes de arriscar um chute que levou perigo. Pouco depois, o seu lance mais feio: um chute que subiu tanto que deve ter quebrado alguma lâmpada do estádio alemão.

Schurrle entrou no lugar de Gotze e foi mais efetivo: de seus pés, saiu o gol do empate (Foto: Getty Images)

Em busca do empate, o Dortmund se lançou ao ataque e obrigou Keylor Navas a se redimir com grandes defesas. Ciente disso, Zidane sacou James Rodríguez – que deixou a desejar – e colocou Kovacic. Meio de campo mais protegido? Só na teoria. Pulisic avançou facilmente enquanto cinco madridistas pareciam apenas assistir. O meia estadunidense, que saiu do banco de reservas, cruzou a bola para a área. Schurrle, outro que entrou no decorrer do jogo, aproveitou sobra de bola para soltar a bomba e empatar: 2 a 2.

Mais uma vez, a ausência de Casemiro podia ser, dolorosamente, sentida.

No final das contas, um empate (o terceiro 2×2 seguido para o time de Zidane) merecido pelo que os dois times fizeram. O Dortmund contou com o fator casa e um técnico mais hábil, enquanto o Real Madrid fez o básico em meio a lesões e sem contar com a sua estrela na melhor forma. Cristiano Ronaldo desequilibrou, e ainda deve melhorar a intensidade de seu jogo conforme for pegando o ritmo. Mas, hoje, o blancos sentem mesmo é a falta de Casemiro.

Confira as estatísticas de CR7 contra o BVB

Estatísticas do jogo


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook