Últimas

Criança cai do teto de igreja e fica em estado grave

V
Vtor caiu de uma altura de 15 metros e quebrou o fmur, brao, sofreu traumatimo craniano, hemorragia interna e parada cardaca. Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Parte do teto da Igreja Matriz de Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, desabou durante a missa na manhã deste domingo. O acidente ocorreu depois que Vítor Hugo Botelho de Almeida, de 11 anos, subiu no telhado do templo e duas placas desabaram com ele. Vítor caiu de uma altura de 15 metros e quebrou o fêmur, braço, sofreu traumatimo craniano,  hemorragia interna e parada cardíaca. Em estado grave, foi levado para o Hospital de Pronto Socorro João 23, em Belo Horizonte.

De acordo com o sargento Welsson Geraldo dos Reis Lima, da 11ª Companhia Independente de Pedro Leopoldo, o menino tem sintomas de hiperatividade e, na manhã deste domingo, entrou na área de acesso ao sino da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, na Praça Francisco Viana, no Centro da cidade, durante a missa das 9h.

“Porém, na escadaria que dá acesso à torre, a porta se fechou e ele ficou trancado. Por isso, subiu na parte interna do telhado, que tem placas frágeis. Duas não aguentaram o peso e desabaram, bem no corredor da igreja”, explica.

O funcionário de uma lanchonete localizada próximo a igreja disse que, por sorte ninguém mais se feriu, além da criança. “O menino caiu lá de cima. Estava tendo uma missa na hora. A sorte é que não estava passando ninguémno corredor”, afirmou Ítalo Jeferson.

Estado grave
Vítor quebrou o fêmur, braço, sofreu hemorragia interna e parada cardíaca. A princípio, foi levado para o hospital da cidade, mas, como o estado dele é grave, ao ser reanimado, foi levado para o Pronto Socorro João 23, na capital.

No momento do acidente, não havia familiares da criança no local. A mãe e o tio chegaram à igreja quando souberam do ocorrido.  O padre responsável pela paróquia não quis comentar o assunto e disse esperar a Cúria Metropolitana para uma resposta padrão à imprensa.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook