Últimas

Em carta emocionada, Totti revela porque rejeitou o Real e exalta amor pela Roma

Meia italiano relembra que conversa com família o fez permanecer na Itália: “Este clube, esta cidade tem sido a minha vida, desde sempre”

“Claro que eu cometi erros. Houve mesmo um tempo, 12 anos atrás, quando eu pensei em deixar a Roma para jogar no Real Madrid. Quando a equipe mais forte e bem sucedida do mundo o procura, você começa a pensar sobre a vida. Eu tive conversas com o presidente da Roma, o que fez a diferença. Mas no final, a conversa que tive com a minha família me lembrou sobre o que é a vida”. Este é o resumo da carta de Francesco Totti à Roma.

A carta de despedida do ídolo é uma declaração de amor sincera. Aos 39 anos, o meia italiano vai deixar a equipe no ano que vem, 24 anos após a sua estreia em março de 1993. Aqui o que Totti publicou, na íntegra:

“27 anos atrás tive uma batida na porta do nosso apartamento em Roma. Minha mãe, Fiorella, foi atender. Quando ela abriu a porta, um grupo de cavaleiros se apresentaram como diretores de futebol. Mas eles não eram da Roma. Estavam vestidos de vermelho e preto. Eram do Milan e queriam que eu jogassse por sua equipe a qualquer custo.

(Foto: Getty Images)


GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Tite conseguiu o que Dunga queria | Messi brilha pela Argentina | Atuações dos brasileiros contra o Equador


Minha mãe levantou as mãos, o que você acha destes senhores? Bem, não foi uma decisão minha, é claro. Minha mãe era a chefe. Ele é a cabeça ainda. Posso dizer que ela é bem ligada a seus filhos, como qualquer mãe italiana, um pouco superprotetora. “Não, não”, ela disse aos diretores. É tudo o que ela tinha a dizer: “Desculpe, não, não”. Esse foi o fim. Minha primeira transferência, impedida pelo meu “patrão”. Era difícil dizer não para o Milan. Isso teria significado um monte de dinheiro para a família. Mas minha mãe me ensinou uma lição naquele dia: Sua casa é a coisa mais importante na vida.

Quando você é uma criança, em Roma, há apenas duas opções: ou vermelho ou azul. Roma ou Lazio. Em nossa família, havia apenas uma possibilidade. Infelizmente eu nunca conheci meu avô porque ele morreu quando eu era pequeno, mas ele deixou um grande presente. Felizmente, o meu avô Gianluca era um fã de Roma e passou isto a meu pai, que então fez o mesmo com o meu irmão e eu. Nosso amor pela Roma eé algo que nós sempre levaremos adiante.


(Foto: Getty Images)

A Roma é mais do que um clube de futebol. Era parte da nossa família, o nosso sangue, nossa alma. Nós não conseguimos ver muitos jogos na televisão, porque, mesmo em Roma, nos anos 80, não tínhamos uma em casa. Mas quando eu tinha sete anos, meu pai finalmente conseguiu ingressos e eu pude ir no Estádio Olímpico. Posso fechar os olhos e lembrar o sentimento. Cores, canções, fumaça, fogos. Me senti uma criança tão completa apenas por estar no estádio em torno de outros torcedores, algo se iluminou em mim. Eu não sei como descrever a experiência. Linda.

Eu não sabia que iria fazer a minha estreia no Estádio Olímpico de Roma, até 90 minutos antes do jogo. Me sentei no ônibus que me levou para o estádio e minha excitação só aumentava. Qualquer paz que eu tive na noite anterior tinha desaparecido. Os torcedores da Roma são diferentes de todos. Há muita emoção quando você usa a camisa da Roma. Você tem que provar que você merece, e não há muito espaço para cometer erros. Quando entrei em campo, em meu primeiro jogo, eu estava saturado com o orgulho de jogar pelo meu time, por minha casa, por meu avô, por minha família. Durante 25 anos tive esse privilégio – a pressão nunca mudou.

Claro que eu cometi erros. Houve mesmo um tempo, 12 anos atrás, quando eu pensei em deixar a Roma para jogar no Real Madrid. Quando a equipe mais forte e bem sucedida do mundo o procura, você começa a pensar sobre a vida. Eu tive conversas com o presidente da Roma, o que fez a diferença. Mas no final, a conversa que tive com a minha família me lembrou sobre o que é a vida

A minha casa é tudo. Por 39 anos, A Roma tem sido a minha casa. Durante 25 anos como jogador, vivo aqui. Espero que tenha representado as cores da Roma tão bem quanto eu poderia. Espero ter feito a todos orgulhosos. As pessoas me perguntam por que passei toda a minha vida em Roma.

A Roma é a minha família, meus amigos, são as pessoas que eu amo. A Roma é o mar, as montanhas, os monumentos. A Roma é amarelo e vermelho. A Roma, para mim, é o mundo. Este clube, esta cidade tem sido a minha vida, desde sempre”.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook