Fred Zero Quatro critica a reforma inacabada do Teatro do Parque

Cantor participou de evento pol
Cantor participou de evento poltico ao lado de Joo Paulo, candidato a prefeito pelo PT. Crdito: Annaclarice Almeida/DP

Ao participar de um evento de apoio ao candidato do PT à Prefeitura do Recife, João Paulo, o cantor e compositor Fred Zero Quatro afirmou, nesta terça-feira (13), em entrevista coletiva, ser lamentável que o Teatro do Parque esteja fechado há tantos anos. Segundo ele, o espaço histórico precisa ser resgatado para a população.

Ainda para Fred Zero Quatro, a campanha eleitoral foi atropelada pelo processo de impeachment, mas a maioria do país identifica quem estava ao lado ou contra o que ele chama de “golpe”. Veja principais trechos do que ele falou.

 

João Paulo pede ‘carga total à militância nesta reta final de campanha’

 

Qual o motivo da sua presença aqui,  neste evento, ao lado de João Paulo?
O Teatro do Parque relembra momentos emblemáticos da cena pernambucana, não só como artista, mas antes como consumidor de música. Me lembro que o primeiro show… o projeto Pixinguinha, o projeto Seis e Meia, a Cor do Som…A primeira vez que eu vi ao vivo foi no Teatro do Parque… Zizi Possi, Alaíde Costa, vários shows incríveis que eu vi… Arrigo Barnabé, Itamar Assumpção, e tava lembrando que o lançamento do primeiro disco do Mundo Livre no Recife foi aqui, em 1994. Lembro, nesse palco, Xico Sá e Nação Zumbi abrindo para Arrigo Barnabé antes da primeira turnê para São Paulo. Foi um troço incrível e histórico, todo mundo dançando na platéia, sem falar de sessões de arte e filmes que eu vi na tela daqui. A parte histórica do ciclo do cinema é uma parte da cultura do Recife que é lamentável que esteja há quatro anos suspensa, sendo privado para o público do Recife.

Esse sentimento que você tem é predominante na classe artística?
De um tempo para cá (antes de estar fechado), o Teatro do Parque vinha tendo um circuito mais da classe teatral e eu não tenho um convívio tão direto assim. Mas, para a classe teatral, é uma perda, assim, significativa demais e para a  classe musical também. Eu fiquei sabendo, não posso garantir, mas pessoas que estão envolvidas na luta pelo teatro acreditam que, supostamente, por conta dessa reforma interminável, um piano de calda estragou, se perdeu, não sei se vai ser possível recuperar. Então, é uma bandeira que interessa a toda classe cultural do Recife.

Existe uma força muito grande dos artistas que foram contra o impeachment de Dilma Rousseff, mas ainda não é possível ver essa mesma força na campanha de João Paulo… Você acha que isso vai tomar mais corpo durante a campanha?
Até mesmo o slogan da campanha (de João Paulo) é Recife pela Democracia… tem algo pela defesa da democracia. Até pelo fato de a campanha ter sido meia atropelada, talvez a mais curta da história, não deu muito tempo de se marcar uma bandeira, um programa, mas acho que todo mundo que vive a vida política do país identifica claramente que existem partidos que foram a favor do golpe e existem partidos que foram contra o golpe. Agora, se isso foi suficientemente massificado a ponto de a população, a maioria do eleitor ter isso claramente (eu não sei). Eu vim agora de Porto Alegre, o presidente atual (Michel Temer), o golpista, tem uma avaliação péssima em Porto Alegre e o candidato do PMDB à prefeitura deu uma guinada que subiu oito pontos em uma semana. O governador de lá também é do PMDB e é péssima avaliação e está tudo meio empatado tecnicamente. Acho que não deu tempo de fazer essa conexão da coisa partidária e da coisa federal.  


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook