Últimas

Mourinho e Guardiola: da amizade no Barcelona até a carga pesada de emoções como rivais

Neste sábado (10), os treinadores voltam a se reencontrar no clássico de Manchester. Uma história que é mais velha do que muita gente pensa


GOAL Por Tauan Ambrosio 


Parece até uma história que envolve drama, sentimento, paixão e de como uma amizade pode dar voltas e voltas até um reencontro absolutamente antagônico, repleto de mágoas.

E é isso mesmo!

Poucos sabem, mas, antes de protagonizarem o que talvez seja a maior rivalidade entre treinadores de ponta na história do futebol, Guardiola e Mourinho eram amigos.

Embates duros, que colocam em choque duas maneiras distintas de ser ver o futebol, ainda não haviam acontecido entre ambos naquele final de década de 1990. Mourinho e Guardiola costumavam gastar horas de resenha no Barcelona. O português trabalhava como tradutor do técnico inglês Bobby Robson, enquanto Pep ainda desempenhava uma importante função no meio de campo do clube.


GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Real e Barça de olho em joia do Vasco | Empresário de Ibra ‘ataca’ Guardiola | Mourinho vs Guardiola


Alguns classificam a relação como de amizade, outros adotam um tom menos ‘romântico’ e garantem que a convivência era puramente profissional.

Fato é que duas imagens em especial mostram que ambos gostavam bastante de falar sobre as estratégias do esporte mais popular do mundo.

Guardiola e Mourinho, durante treino do Barça em 1997… imagina a resenha! (Foto: Marca)

Uma conversa, que muitos fariam loucuras para terem ouvido, durante um treino do Barça já é bem famosa. A outra é Guardiola apontando para Mou, antes de abraça-lo após a conquista da extinta Taça das Taças (conhecida no Brasil como Recopa Europeia) sobre o PSG, em 1997.

Confira o vídeo do emocionado abraço entre Pep e Mourinho, após o título do Barça sobre o PSG

O que teria colocado um ponto final na harmonia foi a recusa do Barcelona em relação a Mourinho. Pouco antes de anunciar Guardiola como técnico, em 2008, o clube catalão havia entrevistado o português para o cargo. Dizem que José havia preparado uma longa apresentação para mostrar o seu plano de como reestruturar o clube, que vinha em um rápido momento de entressafra após a saída do técnico Frank Rijkaard.

Até Guardiola estaria nos planos do luso, mas com o papel de auxiliar.

Mas Pep foi anunciado para o cargo principal, e o orgulho de Mourinho ficou ferido. Quando o Barcelona de Guardiola começou a ganhar cada vez mais elogios pelo estilo de jogo, a mágoa e ciúme do português devem ter dado um passo além. Quando a Internazionale treinada por José bateu o Barça na semifinal da Champions League em 2010, o português atravessou o gramado do Camp Nou com o dedo para cima. Uma provocação. Um ato que, se fosse transcrito verbalmente, no papel, daria páginas e páginas.

Mourinho, em 2010, corre no gramado do Camp Nou após eliminar o Barcelona da Champions League (Foto: Getty Images)

O fato de ter conseguido vencer o Barcelona de Guardiola (e, naquele ano, a Champions League) credenciou o português a chegar no Real Madrid com toda pompa. Mourinho era o anti-Guardiola, o pragmático, o treinador que fez os merengues esquecerem por um tempo do estilo de jogo exuberante e ofensivo. O estilo Galáctico. Se Mourinho tinha a fórmula para bater Guardiola – e o Barcelona – ele poderia dar as cartas no Santiago Bernabéu. E queria provar aos dirigentes do Camp Nou que eles haviam cometido um erro, em 2008.

Na Espanha, Pep levou a melhor no campo… mas foi Mourinho que levou a melhor na guerra psicológica (Foto: Getty Images)

Os resultados foram melhores para o catalão, mas as duas temporadas de guerra constante custaram a sua presença no Barcelona. Muitos são os que atribuem a saída de Guardiola do Barcelona ao cansaço mental que todo aquele terror psicológico lhe rendeu. É só falar o nome de Mourinho que Pep fica incomodado.

O United de Mourinho vai enfrentar o City de Guardiola no clássico de Manchester. No total, o espanhol leva ampla vantagem sobre o luso (Foto: Getty Images)

No total, Guardiola venceu sete vezes contra apenas três de Mourinho nos 16 confrontos realizados desde 2009. Sábado (10), um novo reencontro já está marcado no Old Trafford. Tudo leva a crer que a rivalidade entre ambos será diluída ao longo da temporada, afinal de contas na Inglaterra o número de candidatos reais ao título é maior do que na Espanha – e por lá outros ‘professores’ de primeira linha também estão presentes, como Klopp e Arséne Wenger. Mas é bom esperar de tudo quando falamos de um Guardiola vs Mourinho: seja na tensão do encontro ou na qualidade dos times treinados.


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook