Últimas

MP investiga infestação de escorpiões no interior de São Paulo

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para apurar a infestação sistemática de escorpiões na área urbana de Santa Gertrudes, cidade do interior de São Paulo. Nos últimos dias, moradores chegaram a recolher 35 desses animais peçonhentos em uma única residência. Foram registrados pelo menos dois casos de acidentes com pessoas, embora sem gravidade.

O cão de uma moradora também foi atacado. O promotor de Justiça Gilberto Porto Camargo quer saber se está havendo negligência de órgãos públicos no controle dos escorpiões.

Moradores já encontraram escorpiões em meio à roupas de cama, no interior de máquinas de lavar e pendurados em lustres, no interior das casas. No ano passado, a cidade já sofreu com a proliferação desses aracnídeos.

O município paulista, de 27 mil habitantes, concentra cerca de 50 indústrias de cerâmica de revestimento e, em alguns pontos, há deposição de resíduos desse material, mas o descarte é controlado pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Terrenos baldios com mato e lixo também são apontados como possíveis criadouros.

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério Público, a prefeitura tenta se eximir do problema, atribuindo a culpa à falta de limpeza da linha férrea sob concessão à America Latina Logística (ALL), que corta a área urbana.

Camargo encaminhou ofício à Cetesb determinando a vistoria dos focos e eventuais depósitos clandestinos de entulho. O Ibama também foi acionado para acompanhar o controle dos insetos.

O promotor solicitou ainda que o Departamento de Biologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Rio Claro, cidade vizinha, realize um estudo sobre as causas da infestação. A prefeitura informou que os órgãos sanitários do município intensificaram a atuação no controle de animais peçonhentos e, no caso dos escorpiões, atende às solicitações feitas pela Vigilância Epidemiológica. Já a ALL informou que colabora com a limpeza dos trechos próximos da linha férrea.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook