Preso suspeito de matar jovens mineiras em Portugal

A Pol
A Polcia Federal recebeu o comunicado oficial da Polcia Portuguesa sobre o encontro dos corpos em 26 de agosto. Foto: Reproduo/Internet.

A Polícia Federal (PF) prendeu, na manhã desta segunda-feira, o brasileiro suspeito de matar Thayane Milla Mendes Dias, de 21 anos, de Ataléia, no Vale do Mucuri, e das irmãs Michele Santana Ferreira, de 28, e Lidiane Neves Santana, de 16, de Campanário, na mesma região. As jovens estavam desaparecidas há cerca de 200 dias e os corpos foram encontrados no local de trabalho do suspeito, em Portugal.

A Polícia Federal recebeu o comunicado oficial da Polícia Portuguesa sobre o encontro dos corpos em 26 de agosto. Segundo a PF, foram cumpridos um mandado de prisão temporária, um de busca e apreensão na casa do preso e um terceiro de condução coercitiva, todos expedidos pela Justiça Federal de Belo Horizonte.

“Nós só queremos que ele diga porque fez isso. A polícia está fazendo autópsia dos corpos e vai apontar o que pode ter acontecido, mas só vamos saber quando ele abrir a boca. Precisamos saber porque tirou a vida das três”, desabafa Vinícius Santana Ferreira, irmão de Michele e Lidiane.

Drama
O calvário das famílias começou em 2 de fevereiro, quando as jovens deixaram de fazer contato. O namorado de Michele, o auxiliar de serviços Dinai Alves Gomes, retornou ao Brasil e contou que as três viajaram para Londres, na Inglaterra, e que deixaram de fazer contato para não chamar atenção da patroa de uma delas.

Com o passar do tempo, o sumiço levantou suspeitas e só foi esclarecido em 26 de agosto, quando policiais de Portugal encontraram os corpos que seriam das meninas em um barril nos fundos de uma loja em que Dinai trabalhava, em Vila Cascais, distrito de Lisboa.

Segundo moradores da região de Novo Cruzeiro, no Vale do Jequitinhonha, Dinai estaria escondido nas proximidades do distrito de Capão, onde nasceu. O povoado fica a 50 quilômetros da sede.

Ainda segundo a PF, ele será encaminhado para a Penitenciária Nelson Hungria, onde permanecerá à disposição da Justiça. Ele pode ser condenado a até 99 anos de prisão.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook