Tite aponta evolução de Neymar e defende o emocional de Thiago Silva

O treinador da Seleção acredita que as críticas ao zagueiro do PSG são injustas e não vê mais uma ‘Neymardependência’ no seu time

Considerado há anos o melhor jogador brasileiro em atividade, Neymar foi bastante elogiado por Tite. No entanto, o técnico da Seleção Brasileira afirma que o atacante de 24 anos evoluiu muito seu jogo desde que foi para o Barcelona, em 2013.  



GOALVEJA TAMBÉM: GOAL
Neymar presenteia torcedor rival | Algo não cheira bem, Neymar | Confira a lista de Micale


“De 2012 para 2016 ele teve um processo de maturidade muito grande. Ele foi para o clube certo. (Antes) ele preferia a falta a ir ao gol. Cresceu, como todos nós crescemos. Em 2012 eu tinha uma série de erros. Eu quero avaliar a situação do momento, do crescimento que ele teve”, disse em entrevista à TV Globo.  

Em suas duas primeiras partidas com a Seleção, Tite conseguiu vitórias importantes nas Eliminatórias, que colocaram o Brasil na vice-liderança da competição. E com boas atuações de vários jogadores, como Marcelo, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus. Mas mesmo antes de entrar em cena, o treinador acredita que a equipe já estava livre da ‘Neymardependência’.   

“Acho que já não tinha antes. É injusto colocar num atleta de alto nível como Neymar todas as responsabilidade por vitória e derrota. Ou se tem uma equipe que se potencialize todas as situações individuais, senão o erro vai estar na nossa forma de atuar, na minha especificamente como técnico”, apontou o ele. 

Tite também falou sobre a situação de Thiago Silva, que está de volta à Seleção Brasileira depois de mais de um ano. E o gaúcho ainda saiu em defesa do zagueiro do PSG, que desde a Copa do Mundo de 2014 teve o seu emocional questionado por jornalistas e torcedores.   

“Recebi uma pergunta legal quando fomos campeões brasileiros, que o Elias chorou, e que o repórter colocou assim: ‘Tite, que legal, o Elias chorou e mostra o comprometimento, quanto de paixão ele tem pelo clube e quanto ele queria’. Aí eu falei: ‘Interessante, em outro momento, de derrota, o choro é interpretado como desequilíbrio emocional. Eu não consegui entender'”, argumentou.  

“A gente tem quer compreender que emoções fazem parte de nós. A razão e a emoção andam de forma juntas, não existe outra forma. Nem a coisa é extraordinária porque ganhou nem a outra é desequilíbrio porque perdeu”, finalizou. 


Fonte: Goal.com

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook