Últimas

Ação em São Paulo alerta para perigo da trombose

A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) promoveu nesta quinta-feira, em parceria com um laboratório, uma ação no vão-livre do Museu de Arte de São paulo (Masp), na Avenida Paulista, para chamar a atenção e conscientizar as pessoas sobre a enfermidade. O ato marca a passagem do Dia Mundial da Trombose.

Terceira doença cardiovascular mais comum no mundo, a trombose venosa é uma enfermidade grave, caracterizada por inchaço acompanhado de dor e queimação nas pernas, com mudança na cor da pele. Durante a ação no MASP, homens vestidos de trombo distribuíram para a população folhetos com informações sobre a doença.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, a doença se dá a partir da formação de um coágulo, chamado de trombo, em uma ou mais veias do corpo. O coágulo pode causar  bloqueio ou prejudicar o fluxo de sangue na região, o que leva ao aparecimento dos principais sintomas. Caso o coágulo se desprenda e circule pela corrente sanguínea, pode chegar ao pulmão, processo conhecido como embolia pulmonar. A doença pode ainda causar um acidente vascular cerebral (AVC).

De acordo com a entidade, cerca de 120 mil novos casos de trombose venosa profunda são diagnosticados por ano no Brasil. Entre os fatores de risco estão o histórico familiar, a insuficiência cardíaca e a obesidade. Além disso, a falta de movimentação por longos períodos também pode causar a trombose, com 50% de redução da circulação sanguínea atrás do joelho para pessoas que fiquem pelo menos 90 minutos sentadas.

“Muitos ficam preocupados somente com o câncer, acidentes e violência nas cidades, mas a trombose é uma doença grave que muitas pessoas desconhecem. A doença é sistêmica podendo causar infarto, AVC, alteração da função renal e risco de amputação de extremidades dos membros. A trombose venal pode ainda causar embolia pulmonar”, disse o presidente da regional de São Paulo da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, Marcel Matielo.

Segundo o médico, o tratamento é feito com anticoagulantes orais, para diminuir a viscosidade do sangue, e em casos mais graves é preciso fazer cirurgia. Para evitar a doença, deve-se evitar ficar muito tempo sentado, sem se movimentar, manter dieta equilibrada, praticar exercícios físicos regularmente, manter o peso adequado e usar meias de compressão, caso tenha algum histórico familiar associado a varizes ou à trombose.

“O importante é a prevenção. Quanto mais saudável for a vida, com prática de atividades físicas, melhor será o controle das doenças de base, e se evitará chegar à complicação que leve à cirurgia”, disse Matielo.


Fonte: Diário de Pernambuco

Deixe seu comentário

Comentários via Facebook